sábado, 30 de abril de 2016

Crítica do filme: 'Ele está de Volta'



E se Adolf Hitler acordasse na Berlim de hoje? O que aconteceria? Qual seria sua reação e a do povo? Brincando com a imaginação, o cineasta David Wnendr comanda um filme assustador pela ideia e cômico como longa-metragem. Ele está de Volta brinca de maneira séria com uma das pessoas mais odiadas que já existiu neste planeta, como seria seu modo de pensar nos dias atuais, suas metas de governo, tudo isso em forma de sátira e diálogos impactantes além de pitadas equilibradas de humor. Interpretado pelo ator alemão Oliver Masucci, o personagem principal se torna praticamente uma espécie de Borat, deixando em algumas sequências a própria reação abismada dos que acompanhavam a filmagem tomarem conta das cenas.

Na trama, já no século XXI, um homem acorda em pleno gramado, onde perto estão fazendo uma gravação. Esse, não é um homem desconhecido, é o ditador Adolf Hitler que acorda fardado e meio sem entender onde está, consegue refúgio em uma banca de jornal onde começa a se atualizar sobre sua atual situação. Certo dia, um fracassado jornalista resolve procurá-lo e o leva ao poderoso mundo televisivo onde o Hitler dos dias atuais terá bem mais que 15 minutos de fama. 

Bem menos sério que o excelente A Onda, Ele está de volta explora com bom humor e pitadas de atos grosseiros como seria o modo de pensar de Hitler para a situação da Alemanha hoje, sem perder o seu poder de convencimento sobre suas ideias. O restante dos personagens viram meras marionetes nas mãos do Ex-Führer. O filme, que estreou na Alemanha no ano passado, e que chegou faz pouco tempo no netflix, se coloca mais ou menos como Sacha Baron Cohen e seu Borat, explorando o universo das cenas gravadas abertas, com a participação do público para as situações do filme. 

O longa-metragem ganha muita força quando embarca no universo poderoso do poder da mídia e a influência da mesma na vida das pessoas. Hitler aparece em diversos programas de televisão e toma conta da audiência, parece que relembramos os livros de história do segundo grau quando líamos sobre o poder das orações desse homem que quase dominou o mundo com seus ideais polêmicos e cruéis. O que deixa mais abismado é a reação de algumas pessoas quando acham que Hitler é apenas um ator (dentro do contexto do filme), vira celebridade instantânea e ganha a atenção de muitos. 

Ele está de volta não estreou na janela cinema. Se tiver oportunidade de assistir, assista. É um trabalho muito interessante e que nos faz refletir a todo instante.

1 Postagens cinéfilas:

Antonio Felipe Calabrez disse...

Faz você refutar se nós aprendemos com o passado ou apenas acreditamos que estamos a salvo dele. Para refletirmos se podemos acreditar em um futuro melhor ou apenas o subestimar ingenuamente.

https://rezenhando.wordpress.com/2016/06/14/rezenha-critica-ele-esta-de-volta-2015/

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging