Crítica do filme: 'All Nighter'

A amizade não tem idade. Seis anos após seu último trabalho atrás das câmeras, (A Arte da Conquista , 2011) o cineasta Gavin Wiesen se arrisca dessa vez na comédia, explorando o já batido tema de relacionamento entre sogros e genros, All Nighter reúne bons atores, cada um de sua geração, para abordar o tema mas acaba não conseguindo diferenciais em relações a outras comédias de gênero caindo no glamouroso e tedioso terreno do clichê. É mais um daqueles filmes que passará despercebido do circuito norte americano e nem deve desembarcar por aqui. O elenco é bom mas fica provado mais uma vez que se o roteiro não ajudar, nada fica interessante na tela grande.

Na trama, conhecemos Martin (Emile Hirsch) e Ginnie (Analeigh Tipton), um casal fofo que se encontra pela primeira com o pai de Ginnie, o super ocupado Mr. Gallo (J.K. Simmons). Como em todo filme previsível, o encontro dá muito errado. Meses depois, já separado de Ginnie, Martin acorda com Mr Gallo em sua porta pedindo sua ajuda para encontrar a filha que não responde suas ligações faz dias. Assim, mesmo sem se conhecerem direito, a dupla dinâmica irá percorrer muitos quilômetros em busca do paradeiro da jovem.

Seguindo o ritmo de algumas outras comédias, roteiros que se passam em um dia intenso cheio de confusões, aventuras e cenas bobinhas tentando ser engraçadas, o longa metragem foca na relação de um sogro de profissão misteriosa (em certos momentos parece que ele é um espião ou algo do tipo) e um ex-genro, músico, que ainda tenta descobrir o que fazer realmente da vida após o término com a ex-namorada. A dupla dinâmica perambula por uma grande cidade norte americana atrás de uma pessoa que parece ter sumido do mapa. As pistas que chegam, cada uma mais forçada que a outra, vão levando os protagonistas a uma autodescoberta ou melhor, uma auto avaliação sobre seus propósitos da vida (ou alguma coisa parecida do tipo).


Raspando às vezes em diálogos que exploram a experiência contra a maturidade (poderia ter sido mais explorado isso) misturando com cenas de ação cômicas dos filmes da década de 90, o projeto é um grande sonífero onde não vemos a hora de chegar ao fim. 

You Might Also Like

0 comentários