O poder da emoção passa pela forma como enxergamos o mundo ao nosso redor. Filme sensação em bilheterias do mundo todo, Extraordinário, baseado no livro homônimo de R.J. Palacio (que já teve outra obra adaptada para o cinema, As Vantagens de Ser Invisível), narra uma história muito bonita que fala sobre família, amizade e principalmente sobre sonhos. Dirigido pelo norte-americano Stephen Chbosky, o filme conta com uma linda atuação do jovem Jacob Tremblay (O Quarto de Jack).

Na trama, indicada ao Oscar 2018 na categoria Melhor Maquiagem, conhecemos o jovem Auggie (Jacob Tremblay) que depois de alguns anos terá seu primeiro dia em uma escola repleto de outras crianças. Auggie nasceu com Síndrome de Treacher Collins (TCS) que causa deformidades craniofaciais, fato que o fez ser educado até então dentro de casa por sua mãe Isabel (Julia Roberts). Adorado por sua família, que também tem o engraçado pai Nate (Owen Wilson) e a carinhosa irmã mais velha Via (Izabela Vidovic), Auggie precisará enfrentar o mundo fora de sua casa.

O roteiro tem bom desenvolvimento, mesmo que com muitas quebras de narrativas, alternando profundidade em alguns personagens que cercam o protagonista, e histórias que ficam perto da superfície. Os arcos das óticas, onde vemos o andamento da trama pelo olhar da irmã, ou do futuro melhor amigo, são ótimas, deixando um grande ponto de interrogação do porque não fora feito o mesmo com os pais, por mais que esses estejam bastante presentes em cena. Segue também a rota dos clichês em alguns momentos, como 90% dos blockbusters.


Wonder, no original, emociona do início ao fim. A simpatia do personagem principal, em mais uma impactante atuação do jovem e futuro ganhador de Oscar Jacob Tremblay, é algo inspirador. Através de seus sonhos, combate os medos mais profundos, criando coragem para encarar o complicado universo escolar, cheio de bullying e desconfiança de olhares por conta de sua condição. As novas amizades, os vilões, as menções a Star Wars, os sonhos, tudo vira força, e às vezes obstáculos, onde nosso carismático protagonista precisará enfrentar para descobrir o real significado do que é viver.

Crítica do filme: 'Extraordinário'

O poder da emoção passa pela forma como enxergamos o mundo ao nosso redor. Filme sensação em bilheterias do mundo todo, Extraordinário, baseado no livro homônimo de R.J. Palacio (que já teve outra obra adaptada para o cinema, As Vantagens de Ser Invisível), narra uma história muito bonita que fala sobre família, amizade e principalmente sobre sonhos. Dirigido pelo norte-americano Stephen Chbosky, o filme conta com uma linda atuação do jovem Jacob Tremblay (O Quarto de Jack).

Na trama, indicada ao Oscar 2018 na categoria Melhor Maquiagem, conhecemos o jovem Auggie (Jacob Tremblay) que depois de alguns anos terá seu primeiro dia em uma escola repleto de outras crianças. Auggie nasceu com Síndrome de Treacher Collins (TCS) que causa deformidades craniofaciais, fato que o fez ser educado até então dentro de casa por sua mãe Isabel (Julia Roberts). Adorado por sua família, que também tem o engraçado pai Nate (Owen Wilson) e a carinhosa irmã mais velha Via (Izabela Vidovic), Auggie precisará enfrentar o mundo fora de sua casa.

O roteiro tem bom desenvolvimento, mesmo que com muitas quebras de narrativas, alternando profundidade em alguns personagens que cercam o protagonista, e histórias que ficam perto da superfície. Os arcos das óticas, onde vemos o andamento da trama pelo olhar da irmã, ou do futuro melhor amigo, são ótimas, deixando um grande ponto de interrogação do porque não fora feito o mesmo com os pais, por mais que esses estejam bastante presentes em cena. Segue também a rota dos clichês em alguns momentos, como 90% dos blockbusters.


Wonder, no original, emociona do início ao fim. A simpatia do personagem principal, em mais uma impactante atuação do jovem e futuro ganhador de Oscar Jacob Tremblay, é algo inspirador. Através de seus sonhos, combate os medos mais profundos, criando coragem para encarar o complicado universo escolar, cheio de bullying e desconfiança de olhares por conta de sua condição. As novas amizades, os vilões, as menções a Star Wars, os sonhos, tudo vira força, e às vezes obstáculos, onde nosso carismático protagonista precisará enfrentar para descobrir o real significado do que é viver.

Um comentário:

  1. Raphael, Você poderia inserir um tradutor no seu blog? obrigado
    Se você se interessar:
    http://quasartechsciencie.blogspot.com.ar/2018/01/historia-de-un-grande-srinivasa.html

    ResponderExcluir