quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O Cinema Genial de Nicolas Winding Refn! Viva a Dinamarca! Viva o Cinema!

Rio de Janeiro, 02:42, do dia 04/01/12 - Hoje após perder o sono vim aqui humildemente fazer o que mais gosto nessa vida que é escrever sobre cinema. Vagando pela madrugada à dentro e pensando sobre o quê falar, um post no Facebook de um amigo, me deu à luz que eu precisava. As linhas abaixo demonstram o porquê que o cinema dinamarquês é sempre vivo nas memórias de nós cinéfilos.  


O dinamarquês Nicolas Winding Refn é um nome ainda um pouco conhecido pelo grande público, que freqüentam as salas de cinema de todo o mundo. Seus filmes são diferentes, possuem alma, paixão e um propósito como visão única para a violência.  Refn nasceu em Copenhagen no início da década de 70 e se mudou com menos de 10 anos para Nova York, lá viveu até antes dos 18, quando voltou para a terra natal para terminar o ensino médio.

Quando se formou, voltou à famosa cidade americana aonde tinha vivido e um episódio bastante peculiar marcou para sempre a vida desse jovem cineasta: Quando freqüentava a Academia Americana de Artes Dramáticas, Refn, simplesmente jogou uma mesa em uma parede da sala de aula e foi expulso da Academia (sinistro, né?). Após esse lamentável episódio, voltou para a Dinamarca.

Com a chance de um curta-metragem de sua autoria passar numa Tv à Cabo Local, o talento tinha sido descoberto, pouco tempo depois Nicolas Winding Refn escrevia sua obra-prima, o violento ‘Pusher’. O filme que fala sobre o submundo do crime em Copenhagen (e acabou se tornando a primeira parte de uma trilogia) ganhou fama no mundo todo e Nicolas começou a ser chamado para outros projetos. Alguns anos depois, estreou em Sundance seu novo filme ‘Medo X’, que tinha no elenco o grande ator americano John Turturro e que conta a história de um homem que por meio de visões vai chegando à solução do misterioso assassinato da esposa.

Após mais esse sucesso, em apenas dois anos conseguiu escrever, dirigir e produzir as duas seqüências para ‘Pusher’, Pusher II (2004) e Pusher 3 (2005).

Em 2008, quando os fãs já estavam carentes de sua genialidade, Refn lança o aclamado ‘Bronson’, com o até aquele momento desconhecido ator Tom Hardy. Esse filme cinéfilos, é um daqueles que vocês precisam ver, comprar e colocar na cabeceira. Na trama surreal, criada pelo genial artista dinamarquês, um homem bem ‘cabeça-quente’ assalta uma agência dos correios e é preso, sendo condenado a mais de 7 anos de prisão, mas acaba cumprindo uma pena mais de três vezes superior (e a maior parte do tempo trancado na solitária) e nessa loucura um alter-ego é criado, Charles Bronson. Reza a lenda que Tom Hardy (que veríamos depois em ‘A Origem’) teve que fazer 2.500 flexões por dia, durante cinco semanas, para fazer o papel.

Após o estrondoso sucesso de ‘Bronson’, Refn faz o seu filme mais fraco (na opinião de quem vos escreve), ‘Valhalla Rising’ (2009) (sem tradução para o português) , que tem no elenco o famoso ator conterrâneo de Nicolas, Mads Mikkelsen. A trama fala sobre um escravo mudo, cego de um olho e com força sobrenatural que tenta fugir de um grupo que o dominava. Como vocês perceberam a história não é, digamos, das mais chamativas.

Depois desse último trabalho, parte dos cinéfilos começavam a ficar desconfiados. Será que a criatividade acabou? Bem, a volta por cima não poderia ser melhor. No ano passado (2011) nosso amigo dinamarquês, agora com quase 42 anos lança o sensacional ‘Drive’. O longa que tem como protagonista Ryan Gosling (que dá um show no filme) entrou em cartaz e rapidamente alcançou ótimas críticas e saudosos comentários do grande público. Na trama, um jovem que é dublê, mecânico e à noite faz trabalhos como motorista de assaltos diversos, se aproxima de sua vizinha e começa a fazer parte de sua vida. Com a saída do marido da mesma da prisão, o personagem principal do drama tem que ajudar o rapaz (e ao mesmo tempo sua nova amiga) em um roubo que pode não sair como planejado, levando todas as conseqüências à um desfecho vingativo. Um trabalho único, que merece aplausos de pé.

E no futuro? O que podemos esperar? O próximo projeto de Refn será mais um em parceria com Ryan Gosling. ‘Only God Forgives’ (que está em Pré-produção) contará a história de um tenente da polícia e um gangster resolvendo suas diferenças em uma partida de boxe tailandês. O elenco também conta com a presença da ótima Kristin Scott Thomas

É aguardar e conferir!

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging