domingo, 8 de setembro de 2013

Crítica do filme: 'Esse Amor que nos Consome'

Dirigido pelo cineasta Allna Ribeiro, o drama cheio de esperança Esse Amor que nos Consome não é só um filme, é uma experiência. Talvez, por este fato, possa não ser bem recebido pelo público cinéfilo. Há uma certa falta de ritmo propositalmente inserida nas sequências que fala sobre a vida em forma de poesia. No mundo dos sonhadores encontramos os protagonistas, seus  desejos de realização são escancarados na telona e ganham grande destaque ao longo do projeto em forma de metáforas e movimentos corporais.

Na trama, acompanhamos os coreógrafos Gatto Larsen e Rubens Barbot. Companheiros de vida há mais de 40 anos. Juntos resolvem se instalar em uma grande casa abandonada no centro do Rio de Janeiro. Para alimentar seus desejos e sonhos, passam a viver e ensaiar com sua companhia de dança – formada por jovens talentos da dança que enfrentam a dificuldade da falta de patrocínio. A luta cotidiana mistura-se à luta contra mosquitos que tocam violinos em suas orelhas.

Por mais que a beleza tome conta e boa parte das sequências, algumas tramas com personagens reais ou histórias reais simplesmente não conseguem se encaixar. O roteiro, ponto básico de qualquer filme, é fundamental para isso. Nesse quesito o filme comete deslizes sérios, o uso da narrativa em marcha lenta atrapalha qualquer tentativa de interação com o público.

O homem está na cidade, assim como a cidade está no homem. Partindo deste princípio e sabendo que a coreografia – definida muito bem por Larsen -  é o primeiro esboço de uma possibilidade, cada pensamento ganha coreografia e assim vai sendo mostrado um Rio de Janeiro cheio de cores e emoção. O palco, é o centro da cidade maravilhosa, com seus habitantes e seus imensos labritintos de paredes e janelas.  


A trilha sonora dita o ritmo das belas cenas de dança ao ar livre. Clara Nunes e outros grandes cantores aparecem dando sentido aos movimentos. Quem já está acostumado a assistir espetáculos de dança consegue criar um vínculo carinhoso com o filme, quem não gosta ou não está acostumado passará minutos em constante conflito com seu relógio. 

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging