segunda-feira, 28 de maio de 2012

Crítica do filme: 'Judas Kiss'


Mude seu passado, mude seu futuro. Com essa proposta, “Judas Kiss”, busca inovações e originalidade misturada com sequencias calientes e uma proposta voltada à sexualidade. Pena que o roteiro chega a ser pífio e completamente insano tornando o filme muito desinteressante em muitos momentos. Destaque mesmo vai para a ótima trilha sonora, muito bem encaixada nas sequências.

Na trama, somos apresentados a um cineasta homossexual, adorador de telhados, que tem a inusitada oportunidade de voltar a uma época muito dramática para ele e assim tentar mudar o rumo de sua história. Cheio de idas e vindas (no andamento dessa louca história), o longa tenta focar na problemática adolescente e em como decisões tomadas nessa época da vida influenciam uma pessoa para o resto de sua existência.

Metaforicamente, aos poucos, vai se tornando uma terapia e uma descoberta profundamente pessoal. O público fica perdido em meio ao tumultuado roteiro. Às vezes, parece que o filme pede a opinião do espectador para o que vamos ver a seguir, uma espécie de “Você Decide”, é quase que proposto isso, deixando o público perdido em qualquer análise que faça. Quando descobrimos que o personagem dorme com ele mesmo jovem (O que Freud acharia disso?) o espectador tem uma leve vontade de ir jogar futebol, ler um livro ou ver outro filme.

Com o cigarro frequente nas mãos percebemos que o personagem principal não está feliz com a vida que leva, festas e reabilitação são tudo o que resume a carreira desse profissional ligado à sétima arte. Mas a ‘volta no tempo’ desse homem explica, por meios bem confusos (diga-se de passagem), o porquê dele estar naquele estado. Uma adolescência perturbada, cheia de problemas e um problema com o “O Beijo de Judas” que mudou para sempre o rumo de sua vida.

Já no meio do filme o público se pergunta: Quem é Danny Reyes? Ao final, não sabemos responder. Tudo é tão confuso, tudo é tão complicado. De boas intenções o mundo do cinema está cheio, de filmes bons nem tanto.

5 comentários:

  1. Acabei de assistir o filme..
    Realmente ele é um pouco confusso mas eu gostei como abortou o tema do tempo, "caso você queria mudar o seu futuro", sei lá gosto de filmes ligado a isso...
    Mas sinceramente... gostei muito do filme.. bastante...

    ResponderExcluir
  2. Sim, o roteiro é um pouco confuso, mas eu consegui entender todo o conteúdo do filme após o fim e acho que foi uma experiência bem interessante.

    Existem 3 "Danny Reyes" no filme correspondendo a fase jovem, adulta e a idosa, a fase idosa aconselha a fase adulta para que essa aconselhe e mude a vida da fase jovem. A Sra Blossom que me confunde um pouco, mas ela parece ser a única que possui conhecimento do que se passa com os "Danny Reyes"

    Gosto bastante da interpretação do Richard Harmon que interpreta a fase jovem do Danny Reyes, o olhar dele por si só revela o quão conflituosa é a mente do personagem interpretado e ele também se sai muito bem nas cenas que exigem mais ação, inclusive nas mais libidinosas

    Outro aspecto muito curioso é que justamente o Brent Corrigan interpreta o personagem mais recatado do filme, o Chris, que contrasta totalmente com o que é conhecido por mim a respeito da carreira desse ator. A cena da árvore é uma das minhas preferidas do filme, jamais imaginei ele fazendo uma cena assim e o resultado ficou incrível.

    Se o filme tivesse uma narrativa melhor ou seja menos confusa seria um filme excelente beirando a máxima honraria, mas devido a esses problemas acho que um 7,5 arredondando 8,0 (O privilégio de ver o Brent interpretando um personagem tão fofinho vale isso) cabe bem por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Rubens : hoje , 27 de outubro de 2016 , assisti " Judas kiss " . Encontrei sua críticas no guia do cinéfilo e foi a melhor que li , a mais inteligente e elucidativa .
      Gosto de cinema gosto de ler as críticas gosto de filmes que despertam nossa curiosidade e agucem a nossa percepção e gostaria de acompanhar o seu blog ou ter como me comunicar. desculpe-me se estou sendo invasivo .
      Se for possível me envie alguma resposta . Eldo
      E mail : eldorr@yahoo.com.br
      Antecipadamente agradeço qualquer contato

      Excluir
  3. Wow... Adorei o filme e discordo de tudo o que você disse. '-'

    ResponderExcluir
  4. Adorei o filme, gosto de filmes que mexe com o interior de nós mesmos, com nossa percepção, que nos faz pensar no antes, no agora e no depois. Amei!!!

    ResponderExcluir