terça-feira, 29 de maio de 2012

Movie Stars - Uma peça que os cinéfilos devem conferir


(Reprodução/Ofuxico)

Não gosto de escrever sobre outra coisa sem ser sobre cinema. Partindo desse princípio que reina sobre meus dedos, quando eu faço uma exceção pode ter certeza que é porque merece. Estou digitando como se essas palavras fossem fruto de um bate-papo informal, assim já adianto que não estou preocupado com nenhuma pessoa (seja ela a primeira ou a terceira) nem a maneira corrida com que estou escrevendo esse texto.

Começando meu pequeno texto, fui convidado pelo amigo Paulo Diniz para conferir a peça “Movie Stars” em um teatro reinaugurado em copacabana.  Ao lado de minha mulher, li rapidamente a sinopse do espetáculo e logo me interessei: interpretações de músicas de filmes nacionais e internacionais. Um prato cheio para um cinéfilo, não? Após o longo dia de trabalho fui assistir o espetáculo, vestido com minha camisa em homenagem ao filme “Psicose”, à caráter para o evento, como manda o ‘modelito nerd cinéfilo’. Sentei na poltrona E02 e confesso que estava preparado para uma peça teatral mas o que eu vi foi um verdadeiro show.

Toda segunda, dia da apresentação no Theatro Net Rio, um convidado especial é chamado para dar o seu tom a uma das inesquecíveis canções. No meu dia, fui brindado com uma interpretação emocionada do Léo Jaime que interpretou um clássico da música e porque não dizer do cinema. Cantando inesquecíveis canções do imaginário e da realidade dos amantes do cinema, a dupla formada pelas atrizes/cantoras Gottsha e Alessandra Verney se completam em cena (ou como preferir, no palco). De “Gilda” à “Xanadu”, de “Blade Runner” à “A Bela e a Fera”, o público se entusiasma em cada parte da impecável apresentação. É um show que você pode se emocionar facilmente como um filme de Truffaut ou uma história nova iorquina, sempre agradável, de Allen.

A minha canção favorita fica com “Flashdance”, da qual me lembrei de imediato do meu avô Heráclito, que me ensinou a amar esse tal de cinema. Amante ou não da sétima arte recomendo essa peça que está em cartaz em Copacabana, até a presente data. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário