Crítica do filme: 'Renoir'

Um grande retrato de uma família que nasceu para brilhar no mundo das artes. Não tem outro resumo que melhor define o novo trabalho do diretor Gilles Bourdos (Depois de Partir), Renoir. Passando por belas imagens e pinturas que marcaram uma geração de amantes das belas artes, conhecemos um pouco mais a fundo o trabalho do famoso pintor que dá nome ao filme. Pena que a maneira como tudo isso é misturado na tela acaba se tornando uma grande chatice.

Nesse novo drama francês, conhecemos o final de vida do pintor Pierre-Auguste Renoir. Gênio que marcou época, vive seus últimos dias rodeado de mulheres que entraram e nunca mais saíram de sua vida. Uma delas, a sua nova modelo de corpo, começa a ter uma intensa história de amor com um dos seus filhos que acabara de voltar da guerra, o futuro cineasta Jean Renoir (A Regra do Jogo).

A direção de arte é impecável complementando as boas atuações do elenco. Cada detalhe – palavra muito usada pelo próprio pintor – é muito bem captado pelas lentes do diretor. O figurino chama a atenção pelas cores, parecem completar a aquarela do grande gênio da pintura. A fotografia é esplendorosa , todas as sequências exaltam as belas paisagens da riviera francesa naquele verão no início do século XX. O trio de protagonistas realiza um trabalho competente e contribuem para que o sono provocado pela lentidão da história não chegue antes da metade do filme.

Michel Bouquet – do excelente Como Matei meu Pai – interpreta o pintor Renoir. Suas expressões marcantes e os diálogos com pitadas de sarcasmo caem como uma luva ao personagem. Christa Theret (Lola) aparece nua em grande parte do filme mas sem nunca exceder à vulgaridade. Uma atuação corajosa da jovem atriz. Cabe a Vincent Rottiers (A Espuma dos Dias) interpretar o cineasta Renoir. Consegue passar os desejos e paixões do ainda recém adulto soldado.

Mas nem tudo são flores. Uma grande decepção para os cinéfilos fica por conta da não exploração do início da trajetória de Jean Renoir. Somos apresentados apenas a um breve início de como começou sua vontade de entrar na indústria cinematográfica, inusitadamente, por uma obsessiva paixão.

O longa ultrapassa o bom senso em relação a sua duração. É deveras longo para tudo que é abordado em seu roteiro. No mínimo, uma meia hora de fita deveria ter sido cortada. Soninhos profundos, roncadas profundas e ansiedade para o término serão reações presentes nas salas de cinema, mesmo com alguns pontos positivos que o filme possui.  

Esse filme acaba se tornando um quadro que o verdadeiro Renoir não gostaria de pintar. Você compra o ingresso para ver um filme mas acaba indo parar em uma disputa para ver quem dorme primeiro.


You Might Also Like

0 comentários