quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Especial com os 10 melhores filmes de Rodrigo Santoro

Rodrigo Junqueira dos Reis Santoro nasceu no dia 22 de agosto de 1975, em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro. Filho de um engenheiro e uma artista plástica, após terminar o segundo grau rumou a capital do Estado e se inscreveu no curso de comunicação social (com ênfase em jornalismo) da PUC. Mas o sonho do futuro grande astro do nosso cinema era ser ator e durante sua graduação cursava em paralelo a Oficina de Atores da Rede Globo.

O então jovem, de ascendência italiana, teve sua primeira experiência no cinema participando do curta metragem Depois do Escuro no ano de 1996. Somente cinco anos mais tarde voltou a se dedicar ao cinema aceitando o papel do complicado Wilson Souza Neto no elogiado filme de Laís Bodanzky, Bicho de Sete Cabeças. Com o sucesso desse trabalho, Santoro começou a receber muitos convites para participar de outras produções mudando todo o seu foco artístico.

O ano de 2003 foi um marco em sua carreira. Em sua primeira participação em um filme estrangeiro, Em Roma na Primavera (2003), contracenou com a ganhadora do Oscar, Helen Mirren (Red 2 – Aposentados e ainda mais perigosos). Logo após esse trabalho, emendou As Panteras Detonando (2003) e Simplesmente Amor (2003), fixando-se de vez no mercado internacional. No ano de 2006, interpretou o vilão do filme 300, Xerxes onde teve que contracenar com nenhum ator tendo apenas um fundo verde como referência. O filme foi um grande sucesso e Santoro volta a pele do personagem em 2014 para a sequência 300: A Ascensão do Império.

Abaixo analisaremos os dez melhores filmes desse veterano das telonas que já foi indicado ao MTV Movie Awards, na categoria Melhor Vilão, pelo filme 300. Confira a lista abaixo:


10. Os Desafinados (2008)

Para começar a lista nada melhor que um filme cheio de canções que relembram a nossa bossa nova. No filme de Walter Lima Jr. – Os Desafinados – voltamos aos 60, onde conhecemos cinco amigos que formam a desconhecida banda Rio Bossa Cinco. Eles se divertem cantando e tocando canções de sua geração sonhando um dia poder tocar no prestigiado Carnegie Hall. Quando chegam em Nova Iorque, encontram a filha de uma brasileira com um americano que volta com eles ao Brasil e se junta ao grupo. O filme possui uma das mais belas trilhas já feitas em um filme nacional.


9. Carandiru - O Filme (2003)

Na pele do travesti Ladi Dy, Rodrigo Santoro teve um dos seus grandes papéis na carreira no filme de Hector Babenco, Carandiru.  O longa é baseado no livro Estação Carandiru, de Drauzio Varella, onde são narradas todas as experiências do médico no principal presídio do Brasil, até então. O filme rompe barreiras e corajosamente reproduz detalhadamente o massacre ocorrido em 2 de outubro de 1992, em que 111 presos foram mortos.


8. Heleno (2012)

Em seu primeiro papel representando um esportista, Rodrigo Santoro topou o desafio de interpretar o famoso craque do botafogo da década de 40, Heleno de Freitas. Em Heleno – todo rodado em P&B - , conhecemos a fundo a história daquele que se considerava o maior jogador de futebol do Brasil. Suas frustrações, seus sucessos, seus amores, são muito bem retratados pelo diretor José Henrique Fonseca (filho do famoso escritor Rubem Fonseca). Foi a primeira vez que Santoro também produziu um filme.

7. Meu País (2011)

Ao lado de Cauã Raymond e Debora Falabella, Santoro estrelou no ano de 2011 o drama dirigido por André Risum, Meu País. Na trama, conhecemos a complicada família de um executivo, casado e bem-sucedido que vive na Itália. Após muitos anos fora do Brasil, é obrigado a retornar ao país quando seu pai, Armando (Paulo José), sofre um derrame e muitas surpresas surgem como uma misteriosa irmã que desconhecia. O longa ficou pouco tempo em cartaz nos cinemas brasileiros e merece ser conferido pelos cinéfilos.

6. Simplesmente Amor (Love Actually, 2003)

Em uma de suas primeiras aparições em uma produção no exterior, Santoro interpreta o arquiteto Karl que se apaixona pela complicada Sarah – papel da sempre excelente Laura Linney (Operação Presente). O longa dirigido pelo neo zelandês Richard Curtis (Os Piratas do Rock) o filme conta a história de dez personagens em busca da paixão, mostrando situações sobre como o amor pode mudar a vida de cada um.

5. Che 2: A Guerrilha (Che: Part Two, 2008)

Dirigido pelo famoso cineasta Steven Soderbergh (Magic Mike), o drama que conta – em duas partes – a trajetória do militante Che Guevara foi um grande fracasso nas bilheterias. Rodrigo Santoro interpreta Raúl Castro, irmão de Fidel, em ambos os filmes. Na melhor das duas partes, Che 2: A Guerrilha somos situados a um Che Guevara após a Revolução Cubana, onde se encontra no auge de sua fama e poder. É um filme para aqueles cinéfilos que curtem biografias adaptadas nas telonas.

4. Abril Despedaçado (2001)

Em seu primeiro trabalho ao lado do diretor Walter Salles (Na Estrada), Santoro dá um verdadeiro show na pele de Tonho, o personagem principal da trama que foi baseada no romance Prilli i Thyer de Ismail Kadare, adaptado por Karim Aïnouz (O Abismo Prateado). No início do século XX, no sertão brasileiro, Santoro vive um jovem de vinte anos que passa a ser estimulado pelo pai a vingar a morte de seu irmão mais velho, assassinado por uma família rival. Abril Despedaçado é um filme inesquecível e merece estar na sua coleção de dvds.

3. Bicho de Sete Cabeças (2001)

Logo no seu início de carreira dentro do cinema, Santoro interpretou um dos seus personagens mais complexos. Em Bicho de Sete Cabeças conhecemos a história de Neto (Santoro), um jovem que é internado em um hospital psiquiátrico, após seu pai descobrir um cigarro de maconha em seu casaco. Lá, é submetido a situações abusivas. O longa é dirigido por Laís Bodanzky e com roteiro de Luiz Bolognesi baseado no livro autobiográfico de Austregésilo Carrano Bueno, Canto dos Malditos. O filme até hoje é utilizado em palestras sobre instituições públicas ligadas a saúde mental.

2. Uma História de Amor e Fúria (2013)

Um dos últimos lançamentos da carreira do agora grande astro do nosso cinema, Uma História de Amor e Fúria é um drama com técnicas de animação muito bem executadas que praticamente joga o público dentro da inteligente história. O filme conta a história de um homem que está vivo há 600 anos no Brasil passando por momentos marcantes da história do nosso país, desde os conflitos indígenas na época da chegada dos europeus, passando pela Balaiada, no Maranhão, pela ditadura militar e a guerra pela água num futuro não tão distante. Uma história que merece ser conferida por todos os cinéfilos.

1.Não por Acaso (2007)

Em um dos melhores filmes do cinema nacional dos últimos tempos, Santoro dessa vez não é o protagonista mas comove o público com uma atuação competente na pele de um jogador de sinuca. No filme dirigido por Philippe Barcinski (Entre Vales) conhecemos Ênio, um engenheiro de trânsito que, operando sinais, busca comandar o fluxo dos automóveis da cidade de São Paulo. Quando encontra com a filha, Bia, faz com que ele se sinta sem o controle de tudo. No outro segmento, acompanhamos Pedro, dono de uma marcenaria especializada na construção de mesas de sinuca. Um acidente faz com que a vida de ambos tomem rumos surpreendentes. O filme conta com uma das cenas mais bonitas da história recente do cinema nacional, a sequência do semáforo. Não deixem de conferir!


Nenhum comentário:

Postar um comentário