Crítica do filme: "Alemão"




Não existe caminho para a paz. A paz deveria ser o caminho. Mais uma vez falando sobre a violência no Brasil, chega aos nossos cinemas no próximo dia 13 de março (agora é quinta-feira que o circuito muda sua grade de programação), o mais novo blockbuster nacional, Alemão. O filme, alinhado com os moldes hollywoodianos, possui um roteiro instigante e seus personagens conseguem a atenção do espectador do começo ao fim. Dirigido pelo bom diretor José Eduardo Belmonte, o longa-metragem possui apenas um problema, logo com o vilão da história, interpretado pelo ator Cauã Reymond que nem de longe convence no papel.

Na trama, somos jogados para anos atrás na época da imensa invasão da polícia ao morro do Alemão no Rio de Janeiro. Assim, descobrimos que 5 policiais, que estavam infiltrados entre os traficantes estão escondidos em um esconderijo e sendo perseguidos pelos chefões das máfias locais. Misturando medo, dúvidas e muita apreensão, em um ambiente de total insegurança, os 5 homens precisar se agarrar em sua fé e se unirem para tentarem sair vivos dessa situação. O roteiro (assinado por Leonardo Levis e Gabriel Martins), principal qualidade do filme, possui elementos que deixam a tensão espalhada pela telona ao longo de todos os minutos de fita.

O equilíbrio nos contextos dos personagens é a chave para que todos os atores consigam exectar um ótimo trabalho. Caio Blat e o seu Samuel, um jovem inteligente que acredita nas virtudes de suas coorporação. Gabriel Braga Nunes interpreta Danilo e talvez seja o que mais destoa do grupo mas tem papel importante no desfecho. Otávio Muller é Doca, a patente mais alta do grupo mas o responsável por imperdoáveis ações que os levaram a essa situação. Marcello Melo Jr. É Carlinhos, o cara que mais conhece a região mas o que mais todos desconfiam por conta de seu envolvimento amoroso com uma irmã de um traficante. Mas o termômetro da trama é Branco (interpretado pelo excelente ator Milhem Cortaz), todo o filme passa pelos olhos, atitudes e temperamento dele, grande atuação de Cortaz.

Alemão não tem pretensão de ser melhor que Tropa de Elite ou qualquer outro filme que fala sobre guerra urbana. São histórias completamente diferentes, principalmente porque esse novo trabalho de Belmonte possui um vilão explícito. Por mais que a idéia seja interessante, a história quase desmonta com a atuação muito ruim de Cauã Reymond como Playboy, traficante chefe da favela. O ator global não convence em nenhum momento no papel.

O filme conta também com a ótima presença, mais que especial, de Antonio Fagundes. Não é um absurdo dizer que em uma cena chave, já no final da história, Fagundes lembra muito Tom Hanks em Capitão Phillips, emocionando a todos a sala de cinema. Alemão é um filme de ação que você encontra boas subtramas escondidas e que surpreendem o espectador. Mesmo sendo superficial em sua crítica social, possui outros méritos e por isso merece ser conferido por todos os cinéfilos.

You Might Also Like

0 comentários