segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Crítica do filme: 'London Town'

A adversidade é um trampolim para a maturidade. Sabe aquele tipo de filme que tinha tudo para dar certo mas quando acaba a projeção percebemos que algumas coisas faltaram? London Town pode ser resumido assim. Dirigido pelo cineasta alemão Derrick Borte (do peculiar filme Amor por Contrato, protagonizado por Demi Moore e David Duchovny), o longa metragem que estreou no Festival de Los Angeles desse ano (e sem previsão de estreia no Brasil) conta a história da ebulição cultural e musical de uma Londres da década de 70 aos olhos de um jovem que precisa amadurecer rapidamente para lidar com sua vida conturbada. Jonathan Rhys Meyers interpreta o lendário Joe Strummer vocalista e guitarrista turco da banda The Clash, muito pouco aproveitado pelo roteiro.

Na trama, conhecemos o jovem de 15 anos, Shay (Daniel Huttlestone), um rapazinho que ajuda seu pai Nick (Dougray Scott) em uma loja de reparos de pianos e em casa cuidando de sua irmã mais jovem. A vida que ele vive é simples mas com muita harmonia ao lado do pai e da irmã, já que a mãe é distante. Quando recebe de sua mãe uma fita de uma banda de rock and roll chamada The Clash, seu temperamento muda e ele parte em busca de novas descobertas que irão definir para sempre sua identidade guiada por uma maturidade mais forte para enfrentar alguns problemas que aparecem em sua vida.

Em uma parte do filme, já no terceiro ato, o filme ganha alguns nortes interessantes mas nada do roteiro ser mais profundo nessas direções. A paixonite do protagonista pela ótima personagem Vivian (Nell Williams) consegue sustentar algumas lacunas e faz boa ligação com o desenvolvimento que o personagem principal passa por essa etapa na vida. Mas acaba sendo muito pouco, muito pela figura do pai sendo anulada e os conflitos nessa direção sendo cada vez mais distantes. Quando a figura materna, interpretada pela experiente Natascha McElhone, entra na história já é muito tarde e pouco vemos aproveitado Jonathan Rhys Meyers e seu Joe Strummer.


O filme não é ruim, longe disso. Ele apenas se torna decepcionante de acordo com seu potencial. A trilha sonora é espetacular, os integrantes da banda The Clash permitiram o uso de suas músicas na produção. London Town não deve chegar ao circuito brasileiro, se tiver a oportunidade não deixe de tirar suas próprias conclusões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário