domingo, 23 de abril de 2017

Crítica do filme: 'O Poderoso Chefinho'

A maneira como tratamos nossos pais e irmãos é a forma como iremos tratar o mundo inteiro. Falando sobre o amor de irmãos e muito também sobre as rotinas/rituais familiares, o longa metragem, já sucesso de bilheteria no mundo a fora, O Poderoso Chefinho, é mais um drama/aventura/comédia que utiliza técnicas de animação que possui um resultado satisfatório na telona. Com muitos momentos cômicos, explorando bastante o imaginário da criançada e com muitas lições espalhadas ao longo dos 100 minutos de projeção, O Poderoso Chefinho é uma grande aula de como fazer um filme agradável para públicos de todas as idades.

Na trama, conhecemos um jovenzinho que é amado e idolatrado por sua mamãe e seu papai. Filho único, tem praticamente o universo todo pra si além de adorar se imaginar em diversas histórias de aventura. Tudo isso muda bastante quando chega um bebê, toda a atenção que o jovenzinho tinha é transportada automaticamente para o bebê. Só que esse não é um bebê comum, ele fala, usa terno e carrega uma maletinha misteriosa. Após inúmeras situações, o jovenzinho e o bebê acabam se unindo para combater um CEO de uma empresa que deseja acabar com os sentimentos de amor no mundo.

O arco inicial é muito bem construído, conhecemos rapidamente a rotina da família do jovenzinho e nos identificamos com muitas sequências. Com a chegada do bebê falante, já no arco dois, a trama fica um pouco confusa até a explicação bastante criativa de vários porquês que surgem, como a principal delas: porque o bebê fala? A partir do terceiro arco, já rumo a sua conclusão, percebemos um amadurecimento da história com explicações um pouco mais lógicas e com foco total nos sentimentos e emoções que uma família pode provocar.


O Poderoso Chefinho estreou no circuito nacional faz algumas semanas e as sessões continuam cheias. Não é um filme inesquecível mas é um bom projeto que fala com muita autoridade sobre o sentimento pioneiro em nossa vida, o mais puro que podemos sentir: o amor pela nossa família.

Nenhum comentário:

Postar um comentário