Quando a solidão parece um castigo. Baseado na obra do autor britânico Willy Vlautin, A Rota Selvagem traz à tona uma dura realidade presente de um jovem que não tem mãe e acaba de perder seu pai, e por arranjos do destino acaba embarcando em uma jornada ao lado de um cavalo completamente sem rumo. Andrew Haigh (45 Anos), diretor britânico do longa é cirúrgico em sua direção, com uma bela fotografia, buscando a essência do seu impactante personagem principal. É o tipo de história que precisava ser contada por mais duro que seja acompanhar todo o sofrimento do personagem.

Na trama, exibida no Festival de Toronto de 2017 e no Festival do Rio desse ano, acompanhamos a história de Charley (Charlie Plummer), um adolescente de 15 anos que mora com o pai solteiro em Portland. O jovem vive em uma casa humilde e acaba conseguindo trabalho, uma espécie de emprego de verão, como treinador (ou ajudante) de cavalos. Aos poucos vai gostando muito desse trabalho e fica próximo de um dos cavalos de corrida chamado Pete. Quando Pete acaba sendo enviado para ser sacrificado no México, Charley, em um impulso inconsequente resolve fugir com o cavalo.

O projeto, em partes, é uma reunião de monólogos sobre desabafos e reflexões em relação a vida em torno de todo o curto passado que passou até as dificuldades de seu presente. É um retrato delicado e bastante profundo sobre a solidão e o abandono. Privado de ter contato com o resto de sua família por conta de um pai super protetor e deveras inconsequente, Charlie se vê completamente sozinho quando o perde. Viajando rumo a Wyoming, acaba passando um pouco pela recente história norte americana e até encontra com soldados que acabaram de voltar de algumas das guerras que os Norte americanos se meteram. A acomodação por não ter onde ir também chega até as linhas do roteiro fazendo um contraponto a toda liberdade desenfreada que Charlie se encontra.

A Rota Selvagem estreou no circuito dias atrás ao lado de vários concorrentes fortes. Completamente mal lançado, com pouca divulgação, infelizmente será um filme que muitos descobrirão depois.

Crítica do filme: 'A Rota Selvagem'


Quando a solidão parece um castigo. Baseado na obra do autor britânico Willy Vlautin, A Rota Selvagem traz à tona uma dura realidade presente de um jovem que não tem mãe e acaba de perder seu pai, e por arranjos do destino acaba embarcando em uma jornada ao lado de um cavalo completamente sem rumo. Andrew Haigh (45 Anos), diretor britânico do longa é cirúrgico em sua direção, com uma bela fotografia, buscando a essência do seu impactante personagem principal. É o tipo de história que precisava ser contada por mais duro que seja acompanhar todo o sofrimento do personagem.

Na trama, exibida no Festival de Toronto de 2017 e no Festival do Rio desse ano, acompanhamos a história de Charley (Charlie Plummer), um adolescente de 15 anos que mora com o pai solteiro em Portland. O jovem vive em uma casa humilde e acaba conseguindo trabalho, uma espécie de emprego de verão, como treinador (ou ajudante) de cavalos. Aos poucos vai gostando muito desse trabalho e fica próximo de um dos cavalos de corrida chamado Pete. Quando Pete acaba sendo enviado para ser sacrificado no México, Charley, em um impulso inconsequente resolve fugir com o cavalo.

O projeto, em partes, é uma reunião de monólogos sobre desabafos e reflexões em relação a vida em torno de todo o curto passado que passou até as dificuldades de seu presente. É um retrato delicado e bastante profundo sobre a solidão e o abandono. Privado de ter contato com o resto de sua família por conta de um pai super protetor e deveras inconsequente, Charlie se vê completamente sozinho quando o perde. Viajando rumo a Wyoming, acaba passando um pouco pela recente história norte americana e até encontra com soldados que acabaram de voltar de algumas das guerras que os Norte americanos se meteram. A acomodação por não ter onde ir também chega até as linhas do roteiro fazendo um contraponto a toda liberdade desenfreada que Charlie se encontra.

A Rota Selvagem estreou no circuito dias atrás ao lado de vários concorrentes fortes. Completamente mal lançado, com pouca divulgação, infelizmente será um filme que muitos descobrirão depois.

Nenhum comentário:

Postar um comentário