quarta-feira, 30 de maio de 2012

Crítica do filme: 'Albatross'


Todo dia é dia de reescrever nossa história, mas será que não temos bloqueios em relação a isso? A nova produção inglesa “Albatross” (que eu duvido que vá chegar nas nossas telonas) explora os problemas de uma família e o impacto que um elemento vindo de fora causa, determinando novos rumos para todos os envolvidos. É o tipo de longa em que o roteiro é maior que os personagens, o que nem sempre é uma coisa positiva, na verdade, quase nunca.

Na trama, vamos conhecer a história de uma família que é totalmente afetada com a chegada de uma linda jovem chamada Emelia. Dentre os esquisitos personagens: Um pai que está tendo um bloqueio de escritor. Uma mãe que adora uma discussão, além de ser especialista em barracos generalizados. Uma jovem, filha desses dois loucos que estão a um passo do divórcio, que está descobrindo a vida ao mesmo tempo tenta entrar na famosa Universidade de Oxford. A lição do filme passa pelo ato de reescrever sua história e, assim, todos os personagens tomam isso como objetivo.

Analisando o grande pilar dessa produção, Emelia, percebemos que a personagem somente é excêntrica não expressando carisma nenhum nas sequências. Uma jovem insinuante, que leva a vida regada à loucura e atos impensáveis (totalmente inconsequente). Abandonou os estudos e tem vários empregos para ganhar um troco, vive com os avós (por quem expressa um grande carinho e, às vezes, impaciência) em uma residência simples. Ao longo da fita descobrimos a inusitada história de que a mesma é parente do lendário Sir. Arthur Conan Doyle, fato diferente mas que é muito mal encaixado no enredo.

Felicity Jones, que havia feito um trabalho maravilhoso no ótimo “Like Crazy”, não consegue repetir as boas atuações de outros tempos. Muito por culpa do encaixe de sua personagem na trama, desaparece do meio para frente quando os olhos do espectador se voltam à relação do pai com uma moça mais jovem.

Para terminar e definir: Sabem aquelas estradas horríveis que temos pelo Brasil? Cheias de imperfeições que tiram a paciência dos motoristas. Isso define bem o que é essa jornada.

2 Postagens cinéfilas:

J. BRUNO disse...

Ainda não tinha lido nada sobre ele, parece ser uma pena que ele seja tão irregular, afinal sua premissa é bem interessante e poderia ter rendido uma boa obra...

Raphael Camacho disse...

Concordo irmão Bruno! :)

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging