domingo, 12 de fevereiro de 2017

Crítica do filme: 'Fome de Poder'



Há riqueza bastante no mundo para as necessidades do homem, mas não para a sua ambição. Um dos filmes mais polêmicos desse ano de 2017, Fome de Poder, explora a história da criação de uma das marcas mais famosas do mundo, o Mc Donald’s. Dirigido pelo bom cineasta texano John Lee Hancock (Um Sonho Possível), o filme apresenta argumentos sólidos, mostrando todo o início da empresa pelos olhos do ambicioso Ray Kroc. Na condução do protagonista, Michael Keaton usa e abusa de sua experiência para conseguir empatia com o público.

Na trama, conhecemos o vendedor de máquinas de Milk Shake, Ray Kroc (Michael Keaton), um desiludido ser humano que busca há mais de 50 anos uma grande oportunidade empreendedora.  Certo dia, após receber uma ligação de seu escritório, dirige rumo à rota 66 e encontra um empreendimento fabuloso do ramo alimentar, principalmente em sua ágil linha de produção, criado pelos irmãos Dic (Nick Offerman) e Mac (John Carroll Lynch) Donald’s. Assim, resolve estreitar laços com os irmãos e vira um franqueado da rede de sanduíches. Mas com sua ambição batendo toda hora em sua consciência, Ray resolve ter como objetivo de vida aumentar a rede para mais franqueados e com o passar do tempo um Mc Donalds era inaugurado a todo instante em todo os Estados Unidos.

O filme passa por todas as fases do início do Mc Donald’s, avançando sobre sua linha de produção e rapidez inovadora para época, onde hambúrgueres eram vendidos à incríveis 35 centavos de dólares. Os irmãos Donald’s eram conservadores em relação a muitas inovações exatamente para não se perder a qualidade no produto que criaram. Já Ray, autodenominado o Fundador, pensava diferente em alguns pontos e queria adicionar algumas inovações mais rentáveis para seus franqueados. Essa parte do filme, o marketing e administração por trás do grande negócio é o ponto alto da história, até sua conclusão com a expulsão dos verdadeiros criadores de toda a ideia Mc Donald’s.

O filme muito se assemelha com A Rede Social (o filme sobre a criação do Facebook dirigido por David Fincher) em muitos sentidos. Parece que para a criação de uma empresa com sucesso espetacular em seu meio você precisa se impor como um lobo e sem se importar com consequências. Ray Kroc era a cara da ambição e o roteiro escrito por Robert D. Siegel (O Lutador) deixa bem claro todas as facetas desse grande empreendedor mas talvez nem tão grande homem. O seu relacionamento frio com sua esposa Ethel, interpretada pela sempre ótima Laura Dern, é completamente abalado quando os negócios como franqueado do Mc Donald’s começa a decolar e até um novo amor surge sem dó nem piedade. Kroc é impiedoso, um vilão meticuloso que abre suas verdadeiras facetas conforme é atacado. Destrói sonhos dos outros para alcançar status e sucesso. Keaton, na pele desse conturbado Kroc, demonstra mais uma vez sua qualidade como ator.

Fome de Poder teve seu lançamento adiado tentando buscar alguma vaguinha no Oscar (fato que não se concretizou). O longa estreia em março aqui no circuito brasileiro e deve criar uma grande curiosidade no público para conhecer a verdadeira história por trás do sucesso da maior rede de fast food do mundo.

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging