sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Crítica do filme - 'A Dama de Ferro'

O esperado longa da inglesa Phyllida Lloyd, ‘A Dama de Ferro’, é um filme irregular em sua montagem, porém, com boas atuações. No papel principal, a número um das mais queridas atrizes do cinema atual, a “Pelé de saias da sétima arte”, Meryl Streep, em uma atuação que deve dar a ela o seu terceiro Oscar.

Em seu início somos apresentados a uma Margaret Thatcher fraca, já idosa e que vive praticamente solitária, sob vigilância rígida de seus empregados e da sua filha. A luta para combater suas alucinações são constantes (no desfecho ‘metafórico’ é encontrado uma solução para esse caso, lembra um pouco Russell Crowe e seu John Nash em ‘Uma Mente Brilhante’) nem parecia aquela famosa mulher, figura controversa do cenário político britânico, que ficou 11 anos no poder.

Ao longo dos 105 minutos de fita, através de lembranças, vamos conhecendo aquela forte personalidade (cheia de ‘caras e bocas’) que escreveria para sempre seu nome na história. Desde sempre, possuía um repertório de frases de efeito, tinha carisma e o dom da prosa. Para ter êxito em sua caminhada política, tem que abandonar o papel de mãe para assumir o poder de uma nação grandiosa. Deixando o chapéu de lado, aulas de postura e outras dicas são ministradas pelos seus assessores, tudo para moldar a nova governante. 
Seguindo o conselho de seu pai, trilhou o seu caminho vitorioso, triunfando em uma posição dominada pelos homens. Tornou-se Líder do Partido Conservador e assumiu o Status de Primeira Ministra Britânica (a única mulher no posto até hoje), enfrentando em seu mandato: problemas com a Argentina, com o desemprego em alta, com o IRA e um sentimento às vezes dividido, em relação à ela, de sua nação.

Todos os atores (de todas as fases da vida de Thatcher) fazem elevar o nível da fita em cena.

Jim Broadbent é um coadjuvante de luxo. O veterano ator inglês interpreta Denis Thatcher, fiel marido da mulher de punho firme que dá vida à trama, tem ótimos diálogos e atua com bastante naturalidade de forma firme.

Meryl Streep é um caso raro na história do cinema. Tem mais uma atuação sensacional. Todos os elogios são poucos para expressar o quão excelente foi esse trabalho. Por debaixo daquela maquiagem pesada, às vezes apenas mexendo o olho, vemos que ela tenta a todo o momento se conectar com o espectador. Merece levar o Oscar mais uma vez.

Com o discurso “Se quiser mudar o partido, lidere; Se quiser mudar o país, lidere” e executando-o à risca, Margaret Thatcher é uma figura importante do século passado e você cinéfilo: precisa ver essa história! Que conta com uma interpretação de gala da atriz preferida de vários amantes da sétima arte. Dia 17 de fevereiro nas salas de cinema de todo o Brasil.

4 comentários:

  1. Bela crítica, só tem uma correção no início: pode dar a ela o *terceiro (não o segundo) Oscar.

    ResponderExcluir
  2. Quero muito assisti, quero muito que ela ganhe o Oscar.

    ResponderExcluir