O histórico cinema de rua Cine Joia chega agora à Zona Oeste com programação premiada, um hall de 300 metros quadrados super interativo, três salas com equipamentos de última geração, além da famosa simpatia no atendimento ao público. O bairro escolhido foi a Freguesia, em Jacarepaguá, lugar que nunca teve um cinema que levasse os filmes de arte ao público.



A programação eleita a melhor da cidade em 2014, pela Associação de Críticos de Cinema do Rio, chegou na última quinta-feira (19), à Zona Oeste. O grupo Vilacine, responsável pela administração do Cine Joia de Copacabana, assumiu a programação das três salas do RioShopping, em Jacarepaguá, e inaugurou, o Cine Joia Rio Shopping, espaço voltado para o cinema e a realização de outros projetos culturais.

O Cine Joia Rio Shopping leva à Zona Oeste uma opção diferente da oferecida pelas grandes redes de cinema. Com a experiência do trabalho de revitalização do Cine Joia, em Copacabana, que tem 45 anos, o grupo Vilacine vai levar às salas do RioShopping  filmes de qualidade que não costumam entrar no circuito das grandes redes. O espaço vai servir também como um verdadeiro polo cultural, com festivais inéditos, saraus de poesia e outras atividades para fomentar a cultura da região. Cineclubes de surfe, mostras internacionais exclusivas e um programa de educação que passa filmes brasileiros gratuitamente para alunos das escolas públicas também estarão na nossa nova casa.



Por si só, o novo Cine Joia Rio Shopping já é uma expressão de arte. A decoração do espaço, com peças retrô, graffiti e uma simulação do púlpito do Oscar convidam o espectador a viver uma experiência diferente. O bar do espaço vai, inclusive, servir cerveja dentro das salas, para dar ainda mais conforto ao público.  No novo Joia, as pessoas vão poder, além de ver o filme, interagir com a decoração, ter um bar que lhe dê conforto. A ida ao cinema vai ser uma experiência diferente desde antes do filme. Isso tudo por um preço camarada no ingresso e com combos a partir de 10 reais.



Para interação com o público, o Cine Joia Rio Shopping já conta com uma página no Facebook, com o mesmo nome. Lá, os interessados podem saber mais detalhes sobre a programação e enviar mensagens diretas para o cinema, com sugestões, reclamações e outros interesses.

O Cine Joia Rio Shopping fica localizado no Rio Shopping, na Estrada do Gabinal, 313, na freguesia, em Jacarepaguá.

Cine Joia inaugura sua nova filial em Jacarepaguá - Cine Joia Rio Shopping!

Provável indicado ao Oscar de Melhor filme Estrangeiro na próxima grande festa do cinema, o longa-metragem alemão O Labirinto de Mentiras (livremente baseado em fatos reais) possui um grande recheio de qualidades que vai do seu roteiro muito bem produzido até as grandes atuações que vemos em cada segundo desta bela fita européia. Retratando a busca por justiça para histórias sem punição, envoltos em um passado aterrorizante durante a grande guerra, o diretor italiano Giulio Ricciarelli (em seu primeiro longa-metragem da carreira) encontra uma fórmula cinematográfica muito eficiente em mostrar ao público cada detalhe desta intrigante e comovente história.

Na trama, ambientada no final da década de 50, conhecemos o determinado advogado Johann Radmann (Alexander Fehling, em uma excelente atuação) um jovem procurador que fica responsável em investigar crimes terríveis cometidos por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Conforme vai encaixando as peças nesse aterrorizante quebra-cabeça, Radmann vai encontrando dificuldades para concluir seu trabalho, muito pela pressão incansável que sofre de parte do alto escalão alemão.

Qualquer filme que fale sobre os horrores das guerras mundiais já gera certa expectativa. Apesar de muitos longas-metragens não adicionarem muito no que já vimos em outras películas. Um dos pontos mais positivos desta bela produção, exibida no último Festival de Toronto, é exatamente essa de mostrar novas facetas intrigantes, no caso, focado em uma busca implacável aos nazistas que fizeram crueldades em Auschwitz. Além disso, mostra com eficácia a pressão que o procurador responsável pela investigação sofreu do alto escalão alemão ao longo de todo o processo.

Um fato a se destacar dentro das características do personagem principal é a determinação de suas convicções e quando essas entram em cheque quando ele descobre que conhecidos também eram ligados ao nazismo. Tentando entender todos os argumentos que escuta, o próprio personagem passa por um conflito interno tendo apenas como porto seguro o amor que brota por uma jovem costureira. O público embarca na empatia do personagem a todo momento.   

Com estreia marcada para o dia 17 de dezembro, O Labirinto de Mentiras é um grande filme com grandes atuações. Você não pode perder!


Crítica do filme: 'Labirinto de Mentiras'

A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita. Dirigido pelo bom cineasta islandês Baltasar Kormákur (O Sobrevivente), o blockbuster Evereste é o típico cinema pipoca onde se reúnem um grupo de atores, enchem de efeitos e que acabam transmitindo um grupo de emoções muito rasa juntamente com não preenchimentos de lacunas importantes para entendermos melhor os personagens.

O roteiro assinado por Simon Beaufoy e William Nicholson foca mais na aventura do que na história. Para se chegar a uma modelagem de roteiro perfeita, deveriam ter encaixado melhor os personagens coadjuvantes, pois, esses preencheriam lacunas que ficaram soltas durante toda a trama. Como vamos nos envolver com uma história se não sabemos direito certas características dos personagens?

Falando em personagens: Jason Clarke é um dos protagonistas, infelizmente não conseguem criar nenhum tipo de empatia para seu personagem. Jake Gyllenhaal parece que nem está no filme, colocar o nome dele no crédito é quase um absurdo. Josh Brolin, como quase sempre, parece interpretar o mesmo personagem, impressionante, passa desapercebido quase a todo instante.


Estimado em cerca de 55 Milhões de Dólares, a fita norte-americana ficou pouco tempo em cartaz aqui no Brasil. Parece que não fez tanto sucesso. Porque será né?

Crítica do filme: 'Evereste'