A abertura aterrorizante da produtora Blumhouse já indicava que teríamos momentos de tensão nessa surpreendente história escrita e dirigida pelo norte-americano James DeMonaco (State Island). Estimado em quase U$$ 3 Milhões de dólares, o filme já faturou mais de 30 milhões em poucos dias de exibição nos Estados Unidos tornando-se  líder de bilheteria e automaticamente a grande sensação da temporada. Protagonizado por Ethan Hawke (Antes da Meia-Noite), o suspense apresenta em tom argumentativo o caos democrático que pode se instaurar quando a violência – em uma única noite a cada ano – pode prevalecer sem punições.

Logo no início do filme, somos avisados que estamos no ano de 2022, onde um acordo governamental permitiu que as pessoas possam cometer crimes e vinganças se qualquer tipo de punição. Assim, conhecemos a família Sandin, que alcançou a riqueza nos últimos anos vendendo sistemas de segurança par aos vizinhos e sempre optou por se proteger ao invés de descarregar a raiva nesses dias one a violência reina. O filme basicamente são os fatos acontecidos em uma dessas noites onde a violência pode se externalizar sem punições e onde a família Sandin é alvo de jovens transtornados, sádicos e completamente insanos que travam uma guerra psicológica e física com os habitantes da mansão.  

O conflito pessoal de cada um dos personagens é preponderante para criar o interessante clima de suspense que é instaurado ao longo dos 82 minutos de fita. O filho mais novo se rebela contra o pensamento dos pais, a filha mais velha fica traumatizada com uma tragédia que acontece durante a noite e a mãe das crianças passa por um longo, traumático e curto período de transformação. James Sandin (Ethan Hawke), o pai das crianças, resolve ir contra tudo que sempre pensou e proteger sua família. Bolas de sinuca, metralhadoras ao melhor estilo Duke Nukem, machados e tacos de golfe são utilizados como armas. O espectador neste momento se sente dentro de um simulador de violência, onde a guerra travada é extremamente sangrenta e totalmente inconsequente.

O inteligente roteiro percorre o campo da argumentação mostrando os dois lados dessa inusitada situação de expurgo: os que são a favor e acreditam que esses violentos dias vieram para salvar a sociedade corrompida e os que são contra e que sofrem ou tem medo de sofrer alguma consequência desses atos radicais sem controle. Respostas claras não são dadas, deixando o público entrar no debate escolhendo algum dos dois lados.

O longa-metragem abre um leque de possibilidades para o seu desfecho levando o público a torcer, ou não, pela indefesa família a cada instante. O suspense gera alguns pequenos sustos até quando parte para seus momentos de ação, do meio para o fim, cumprindo seu papel. Merece ser conferido onde melhor conseguimos sentir a ambientação daquelas sequências, numa sala de cinema. Nada como bons sustos e histórias originais para atrair a atenção dos cinéfilos.

Crítica do filme: 'Uma Noite de Crime'

O que esperar de um filme de ação com dois atores em final de carreira? Dirigido por Mark Steven Johnson (que comandou o terrível filme de Nicolas Cage, Motoqueiro Fantasma), Killing Season tem bons momentos mas a história sai dos trilhos quando os papéis dos protagonistas são invertidos de maneira tosca, sem nenhuma lógica. É apenas mais um filme de ação com histórinhas para encher linguiça.

Na trama, acompanhamos o aposentado general Benjamin ford (Robert de Niro), um homem ranzinza e que vive solitário em uma cabana longe dos agitos das metrópoles. Distante da família, certo dia resolve aceitar a ajuda do desconhecido Emil Kovac (John Travolta), um homem amargurado por um passado sangrento na guerra da Bósnia e que vai para os Estados Unidos em busca de vingança. Ao pior estilo gato e rato, ambos travam uma batalha de vida e morte com tentativas frustradas de terror psicológico.

O terror psicológico parece que vai ser a grande sacada do filme mas aos 45 minutos do segundo tempo conseguem estragar esse detalhe que seria fundamental para tornar a história mais atraente. Os dois atores famosos em cena tentam se virar com os seus fracos personagens. De Niro interpreta um aposentado e ex-militar, como já fizera parecido em muitos outros filmes, já Travolta inova com um cavanhaque de motoqueiro norte-americano com sotaque de sérvio (uma mistura bizarra, diga-se de passagem). Ambos, produzem até bons diálogos mas muito pouco para prender o espectador por muito tempo.

O longa-metragem tinha muitos ingredientes para agradar a qualquer tipo de público mas o roteiro consegue se perder quando começa a não fechar algumas subtramas, tornando o filme sonolento e sem nenhuma perspectiva de um desfecho que agrade ao público. É o típico caso da história com boa inteção mas muito mal contada. O filme só não é pior pois tiveram o bom senso de encurtar a fita.

O resumo dessa caça é uma temporada escassa de bons filmes de ação norte-americanos. O ano de 2013 é um período para os cinéfilos se esquecerem que em hollywood um dia já se produziu grandes clássicos do cinema. O público se renova, a pipoca fica mais gostosa, o refrigerante fica mais saboroso e continuam a fazer as mesmas historinhas irritantes que o espectador está mais do que cansado de assistir. Hollywood, renovação já!

Crítica do filme: 'Temporada de Caça' (2013)


Dirigido, roteirizado e protagonizado pela atriz italiana Valeria Bruni Tedeschi (Beije-me outra Vez) o longa-metragem italiano Um Castelo na Itália fala sobre memórias, lembranças e conflitos pessoais de maneira leve, inteligente e delicada. Aos olhos da protagonista, que percorre a Itália, França e Inglaterra,  conhecemos a solidão e os fracassos daqueles que vivem diariamente na riqueza.

Nesse filme, dividido por estações do ano, conhecemos Louise (Valeria Bruni Tedeschi) uma ex-atriz, solteirona que vive da riqueza de sua família (que inclusive possui um castelo na Itália) e precisa enfrentar momentos turbulentos em sua família já que seu irmão tem uma doença terminal e seus conflitos com sua mãe só aumentam. Ao mesmo tempo, de maneira bastante peculiar, conhece um rapaz chamado Nathan (Louis Garrel) e se apaixona perdidamente, mesmo ele sendo anos mais novo.

O filme tem ritmo divertido, muito por conta do sempre bem-humorado Ludovic, interpretado de maneira brilhante pelo ator italiano Filippo Timi. As ironias e o pensamentos brilhantes que o personagem coloca são peças fundamentais para o carisma formado, por mais que o público saiba que aquilo é uma forma de esconder as dores de sua doença terminal.

O roteiro caminha entre histórias dramáticas (sempre com generosas doses de humor) e um grande dramalhão familiar. A busca da protagonista por uma maneira mais feliz de se viver é hilária. Em uma de suas ideias malucas, resolve pedir benção para engravidar a todas as igrejas entre a França e a Itália, entra clandestinamente em uma igreja e arruma confusão com as assustadas senhorinhas que se dedicam ao Senhor.  

Totalmente despreparados e imaturos para os obstáculos da vida, essa família deve gerar altas gargalhadas e momentos emocionantes para o espectador. O desenrolar dessa história é uma experiência deliciosa que todos os amantes do bom cinema devem conferir. Bravo!

Crítica do filme: "Um Castelo na Itália"



Quais são os limites na busca de um parente desaparecido? Brilhantemente dirigido pelo cineasta canadense Denis Villeneuve (Incêdios), Os Suspeitos é um dos melhores suspenses e mais surpreendente projeto dos últimos dois anos. Todo o quebra-cabeça que somos testemunhas é engenhoso, brilhante e eletrizante. O espectador não sabe o que vai acontecer na cena seguinte. Como a grande graça desse trabalho é o seu desfecho, o texto não tem nenhum spoiler, podem ficar tranquilos.

Em uma certa tarde, duas meninas são sequestradas na porta de casa levando seus pais a um limite emocional e físico em busca do paradeiro delas. Um desses pais, Keller Dove (Hugh Jackman) ultrapassa todos os limites quando resolve sequestrar e torturar o principal suspeito do sequestro.  O detetive Loki (Jake Gyllenhaal), responsável pelo caso, acaba se envolvendo com a história mais do que devia e acaba descobrindo um plano macabro e inacreditável.

Para um suspense ser bom precisa que em nenhum momento o público tire os olhos da tela. Você só consegue provocar essa reação se a história for interessante, e no caso de um mistério, que as peças do quebra-cabeça lentamente vão se modelando deixando o espectador ansioso em saber como termina todo o mistério. O roteirista Aaron Guzikowski, dá uma aula em como se criar tensão, suspense e surpresa em um filme de 163 minutos.

O longa-metragem tem diversos pontos positivos. O desenvolvimento emocional e desesperante dessas duas famílias afetadas pelo sequestro é perfeitamente executado por cada personagem. Maria Bello – uma das atrizes que mais sabe sofrer em cena – faz o público sentir pena, tamanho desespero que passa na tela. Terrence Howard é o parente mais perdido com todo o desenrolar dos fatos, seu personagem (pai de uma das meninas) não tem forças nem para pensar se seus atos são ou não corretos - grande atuação desse indicado ao Oscar.

Mesmo não tendo um protagonista fixo, a câmera volta muitas vezes a Keller Dove. Um pai desesperado que só pensa em achar sua filha salva. Os conflitos familiares provocados por Dove são intensos, vira um homem sem destino, sem afeto, sem pena e totalmente inconsequente. O espectador consegue e conectar com esse personagem e acaba torcendo para um final feliz mesmo com os pecados que o personagem carrega em suas costas.

Os Suspeitos é um daqueles filmes do qual nunca vamos esquecer o final e sempre que for possível voltaremos para rever. Merece ter um lugar cativo na estante dos cinéfilos, de preferência ao lado de filmes como Seven – Os Sete Crimes Capitais e Os Suspeitos – só que nesse caso, o Kevin Spacey não é o culpado! Bravo!

Crítica do filme 'Os Suspeitos' (2013)


Samuel Marshall Raimi nasceu na cidade de Michigan,  no dia 23 de Outubro de 1959. O futuro diretor de sucesso foi criado no judaísmo conservador, fruto da criação de seus antepassados que ​​emigraram da Rússia e Hungria. Passou a infância recluso em casa e só começou a seguir o seu sonho – fazer cinema – depois que se formou em Inglês, antes dos 24 anos.  Raimi se tornou famoso do público cinéfilo por dirigir a série de filmes sobre o Homem-Aranha e a trilogia de clássicos de terror dos anos 80 Uma Noite Alucinante - A Morte do Demônio.

Raimi ficou fascinado em cinema quando o pai trouxe uma câmera de filme para casa. Assim, começou a fazer filmes em Super 8 com o amigo de infância de Bruce Campbell. Na faculdade, se  juntou com seus alguns amigos para rodar seu primeiro projeto, o curta-metragem Within the Woods (1978) , um filme de terror de 32 minutos que custou U$ 1.600. Com o pequeno sucesso do projeto, através da família , amigos foi capaz de financiar a produção do filme que mudaria sua vida, o clássico terror de grande sucesso Uma Noite Alucinante - A Morte do Demônio (The Evil Dead - 1981) que logo se tornou um sucesso e efetivamente lançou a carreira de Raimi.

Na década de 1990 , Raimi se mudou para outros gêneros , dirigindo filmes como o faroeste Rápida e Mortal, o thriller aclamado pela crítica, Um Plano Simples (1998) e o drama Por Amor (1999). Raimi alcançou outro sucesso comercial com o blockbuster Homem-Aranha (2002). O filme gerou duas continuações : Homem-Aranha 2 (2004) e Homem-Aranha 3 (2007), ambos dirigido por Raimi.

Uma curiosidade: antes de dirigir os filmes do Homem-Aranha , Raimi fez lobby para dirigir Batman Forever quando Tim Burton saiu do projeto, mas foi rejeitado e Joel Schumacher foi o escolhido. Uma pena, não? Alguma dúvida que Raimi faria um trabalho melhor que Schumacher?


Abaixo um Top 10 com os melhores filmes desse adorado diretor:


10.  Uma Noite Alucinante 3 (Army of Darkness, 1993)

Nesse filme, que fecha a trilogia mais famosa de Raimi, o herói Ash (Bruce Campbell) volta ao tempo e vai para o século XIV, onde enfrenta um exército de mortos-vivos. Esse exercito é liderado pelo Evil Ash o qual se separou do Ash original quando ele estava dentro do moinho no meio da floresta, em busca do Necronomicon. Um desfecho de um clássico trash para fã nenhum botar defeito.


09.  O Dom da Premonição (The Gift, 2000)

Nesse bom suspense estrelado pela australiana Cate Blanchett (Blue Jasmine) conhecemos sua personagem Annie Wilson, uma viúva, mãe de três filhos que possui dons psíquicos. Para ganhar dinheiro, Annie resolve utilizar seus poderes oferecendo leituras psíquicas aos moradores da cidade onde reside em Brixton, Porém, tudo começa a piorar para Annie quando ela começa também a ver o lado negro das pessoas ao seu redor, ao mesmo tempo em que ocorre um brutal assassinato na cidade. O desfecho da trama agrada alguns e não outros.

08.  Por Amor (For Love of the Game, 1999)

Misturando esporte, drama e amor, Sam Raimi investe no tom romântico conta a história do famoso arremessador do Detroit Tigers Billy Chapel (Kevin Costner) , um homem em conflito no seu lado amoroso já que sua mulher o está deixando e ele luta para que isso não aconteça. Entre dramas e com a cara fechada e amargurada de Costner, o filme como um todo acaba agradando a muitos tipos de público.


07.  Rápida e Mortal (The Quick and the Dead, 1995)

Depois dos filmes de terror, Sam Raimi investiu seu tempo e habilidades em um filme do gênero Faroeste. Em Rápida e Mortal, Sharon Stone (Blue Jasmine) é Ellen, mulher misteriosa que chega a uma cidade para se vingar de um homem que tornou sua vida um inferno. E um duelo entre os dois é o ponto do alto do filme que reúne todos os personagens e situações típicas do gênero.  O sumido Gene Hackman (O Júri) faz o vilão da trama.


06.  Homem-Aranha (Spider-Man, 2002)

Adaptado do famoso quadrinho de Stan Lee, Homem-Aranha já gerava expectativa antes mesmo de seu lançamento, Sam Raimi foi o escolhido por ser um grande fã de quadrinhos e um dos melhores diretores de sua geração. Na trama, Peter Parker (Tobey Maguire), um jovem estudioso que mora com seus tios, Ben (Cliff Robertson) e May (Rosemary Harris), desde que seus pais faleceram, depois de um acidente ganha poderes e habilidades de uma aranha começando assim um grande ciclo de aventuras cheia de emoções e vilões terríveis. Uma das melhores adaptações do mundo dos quadrinhos para as telonas.

05.  Arraste-me para o Inferno (Drag Me To Hell, 2009)

Voltando ao gênero que o consagrou, Sam Raimi escreveu com seu irmão o roteiro - e dirigiu - Arrasta-me Para o Inferno. Na trama, conhecemos Christine Brown (Alison Lohman), uma analista de crédito que vive com seu namorado, o professor Clay Dalton (Justin Long), em Los Angeles. Um dia, para impressionar seu chefe, ela recusa o pedido de uma senhora chamada Sylvia Ganush (Lorna Raver) para conseguir um acréscimo em seu empréstimo, de forma que possa pagar sua casa. Como vingança, a anciã joga uma maldição sobrenatural na vida de Christine. Um filme que fez lembrar os velhos tempos de Raimi.

04.  Homem-Aranha 2 (Spider-Man 2, 2004)

Nessa sequência do sucesso de Homem-Aranha, voltamos a acompanhar Peter Parker (Tobey Maguire), mais maduro e precisando lidar com problemas psicológicos e com a raiva crescente de seu melhor amigo Harry (James Franco), por considerá-lo o assassino de seu pai, e com o aparecimento de um novo inimigo: o Dr. Octopus. Essa sequência é superior ao primeiro filme em todos os campos: ação, emoção e história. Um grande trabalho de Raimi atrás das Câmeras.


03.  Um Plano Simples (A Simple Plan, 1998)

Em um suspense com um ótimo roteiro, somos premiados com um desfecho surpreendente. Em Um Simples Plano três diferentes personagens encontram, num avião abandonado, sacos contendo milhões de dólares. Eles ensaiam um plano simples para ficarem com o dinheiro se ninguém aparecer para reclamá-lo. Raimi poderia voltar a fazer mais filmes do gêneros, o cineasta tem a manha de criar a tensão e surpreender no desfecho.

02.  Uma Noite Alucinante 2 (Evil Dead II, 1987)

O filme começa com a reencenação de vários eventos vistos na produção anterior – fato que desagrada alguns fãs. O protagonista Ash (Bruce Campbell) e sua namorada vão a uma cabana abandonada na floresta para passarem alguns dias de romance. Na cabana, Ash ouve a fita de gravador deixada por um professor de arqueologia recitando passagens de um livro macabro, descoberto durante escavações recentes. A fala libera uma força demoníaca e o terror começa. Sem dúvidas, uma ótima continuação do clássico Evil Dead.

01.  Uma Noite Alucinante - A Morte do Demônio (Evil Dead, 1981)

Cinco jovens vão passar um fim de semana em uma cabana. Todos eles tem estranhas experiências, obviamente causadas pela presença ali do Livro dos Mortos que logo encontram. Ao reproduzirem certas falas de um arqueólogo que estavam perdidas no local despertam espíritos que estavam adormecidos e que habitam o bosque. Os espíritos começam a possuir os jovens um por um. Um dos maiores clássicos trash da história do cinema. Um filme para ter na coleção!

Especial | Top 10 Sam Raimi



Após o desastroso 12 horas (2012) – o diretor pernambucano Heitor Dhalia (À Deriva) volta para casa e apresenta ao público uma comovente história de amizade e ganância no garimpo do sul do Pará. Em Serra Pelada, modelado com narrações em Off como se fosse uma mini-série daquela emissora poderosa – fato que não vai agradar muitos cinéfilos – vemos boas atuações, um roteiro competente e uma direção muito correta, colocando o público entretido do início ao fim com a história de cada personagem.

Estrelado pelo ator gaúcho Juliano Cazarré (360) e o quase desconhecido Júlio Andrade (Nove Crônicas para um Coração aos Berros), Serra Pelada conta a história de dois amigos que abandonaram sua terra natal para tentar ganhar a vida como garimpeiros em uma terra de oportunidades. Com um certo ar de empreendedorismo e muita malandragem conseguem logo virar referências nessa terra violenta, cheia de perigos e algumas oportunidades.

O ponto chave do filme é o foco na relação de amizade entre os protagonistas. Cada detalhe é muito bem capturado pelas lentes do diretor. O desenvolvimento dos personagens é nítido, o que era uma amizade acaba virando ódio e decepção, muito por conta de interesses megalomaníacos, inveja e ambição que acabam gerando sequências de violência e reviravoltas emocionantes. Os personagens coadjuvantes, a grande máfia que é mostrada ajudam a contextualizar o destino dos protagonistas - destaque para Wagner Moura (Elysium), careca e caricato, inventando brilhantemente seu Lindo Rico.

A trama é desenvolvida na ótica do personagem de Júlio Andrade, Joaquim, por onde vemos as realizações e os medos da sofrida situação que ele se mete.  A região de Serra Pelada é habitada por aventureiros de todos os lugares do Brasil, em busca do tão sonhado ouro que banha a região. Com a avançada militar – a história é passada nos anos 80 – na região alguns hábitos e costumes são modificados desestruturando alguns monopólios que já se instauravam na mão-de-obra.

Serra Pelada é acima da média quando falamos em cinema nacional. O espectador acaba a sessão com um ar de que viu e aprendeu muito sobre esse lugar. Tem ação, aventura, suspense e drama na dose certa, tudo que um bom filme precisa ter para agradar o público, sempre carente por obras nacionais de qualidade.                                                                                                                                                                                                                                                                                    

Crítica do filme "Serra Pelada"