A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família. Depois de abandonar as atuações e se dedicar praticamente em tempo integral às direções, o francês Guillaume Canet chega aos cinemas com um filme de ação com uma excelente construção, fruto do bom trabalho do roteiro que o mesmo assim em parceria com o craque James Gray, onde os ótimos Clive Owen e Billy Crudup se revezam como protagonistas da história. Blood Ties possui subtramas envolventes mas que só funcionam de fato por conta das ótimas atuações do elenco. Cada qual com sua personagem, ajudam a contar essa explosiva e envolvente história.

Na trama, acompanhamos a história de dois irmãos que estão em lados opostos da lei. Após a saída da prisão, Chris (Clive Owen) insiste em ser feliz longe do crime, procurando ser um cara mais correto. Já Frank (Billy Crudup), é um policial esquentado que abandonou um grande amor no passado e não tem um bom relacionamento com seu irmão mais velho. A vida de ambos muda radicalmente quando, no mesmo período, um dos irmãos volta a ser um bandido perigoso e o outro é caçado por um outro ex-prisioneiro.

O roteiro não é nada muito diferente do que já vimos em outros filmes do gênero. Um fato que se diferencia das outras fitas é a direção detalhista do francês Guillaume Canet. O cineasta da terra do perfume, marido de Marion Cotillard, é inteligente, principalmente sob o ponto de vista das relações familiares que contornam as histórias. Assim, consegue captar toda a essência e sentimentos fervorosos da trama sob as ações dos personagens.

O filme entra em um ritmo acelerado do meio para frente. Essa, é uma daquelas fitas que o cinéfilo precisa ter certa paciência pois a apresentação lenta dos personagens se torna extremamente necessária para entendermos certas ações dos mesmos ao longo do longa-metragem. Os personagens principais chegam ao mesmo tempo no clímax das conseqüências das ações cometidas. Nesse momento, fica mais evidente que a história na verdade é sobre o relacionamento de toda uma família marcada por traumas violentos e terríveis.

Lembram dos tiroteios e cenas tensas de violência à sangue frio do filme francês Inimigo Público Nº 1 – Instinto de Morte (protagonizado pelo sempre excelente Vincent Cassell)? A construção da maioria das cenas de ação de Blood Ties (ainda sem tradução para o português) são nesses moldes. É uma junção de Os Donos da Noite com pitadas pequenas de Fogo contra Fogo. Claro, guardadas suas devidas comparações. Pra quem curte filmes de ação, é um prato cheio!

Crítica do filme: 'Blood Ties'



As pessoas entram em nossas vidas por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem. E vem da Índia o filme mais delicado do ano até o momento. Escrito e dirigido pelo cineasta indiano Ritesh Batra, em seu primeiro longa-metragem na carreira, The Lunchbox teve uma estreia surpresa no circuito carioca nesta última semana o que fez com que editorias especializadas em sétima arte corressem em pleno fim de semana para as salas de cinema para poder dizer ao público o que esperar dessa surpreendente história. Mesclando comédia, romance e um drama muito bem estruturado, o filme merece aplausos de pé de todo mundo que ama cinema.

Na curiosa história, conhecemos dois personagens que sofrem por amor, cada um à sua maneira. Saajan Fernandes (interpretado pelo excelente Irrfan Khan) é um homem solitário que está prestes a se aposentar depois de 35 anos na mesma empresa. Já Ila (Nimrat Kaur) é uma mulher que se sente muito sozinha, pois, é rejeitada pelo marido que a trai constantemente.  Quando um equívoco no sistema de entregas de refeições de Mumbai - os Dabbawallahs – acontece, todo almoço preparado por Ila para seu marido vai para Saajan. Assim, essas duas almas carentes por um grande novo amor, constroem juntos um mundo paralelo de amizade, carinho e afeto através de bilhetes deixados nas marmitas nas quais as comidas são entregues. Até que certo dia eles resolvem se conhecer pessoalmente.

A narrativa é sensível, gostosa, leve, engraçada, conquista o primeiro do primeiro ao último minuto com elegância e competência. Nos sentimos nos delicados filmes de Fellini, nas conturbadas situações nos dramas de Truffaut, nas boas e delicadas cenas cômicas de diversas comédias francesas. Ritesh Batra consegue encontrar uma fórmula muito interessante de direção e roteiro encaixando cada personagem de maneira harmoniosa com a história. Esse filme é um daqueles que você paga para ver de novo.

The Lunchbox chega ao circuito nacional para dizer definitivamente aos preconceituosos de plantão que o cinema indiano pode ser espetacular e não necessariamente precisa de dancinhas esquisitas no final de suas histórias. Mas e se tivesse dancinhas? Qual o problema? É da cultura alegre deles, isso é louvável. Vai dizer que vocês nunca pensaram em dançar junto com o elenco ao final de Quem quer ser um Milionário?

O filósofo alemão Schopenhauer costumava dizer que o destino embaralha as cartas, e nós jogamos. Não é verdade? O filme mostra exatamente isso. Há uma ação do destino mas quem dá o final da história são ações dos personagens. Esse ótimo longa-metragem indiano merece ser conferido por todo mundo que acredita nos seus sonhos. Às vezes, o trem errado vai para a estação certa. Nunca deixe de acreditar nisso!

Crítica do filme: 'The Lunchbox'



Hoje, eu acordei pensando em você. Quem nunca teve uma grande paixão, um grande amor? Em singelos 82 minutos de fita, o novo trabalho do diretor Felipe Braga, Latitudes, fala sobre o amor, sua ilusões e desilusões. Com locações que variam entre Paris, Londres, Veneza, São Paulo, Porto e Istambul, esse longa-metragem tinha tudo para dar errado, principalmente pela forma como a montagem foi feita, mas acaba encontrando seu porto seguro nas convincentes interpretações dos dois únicos artistas em cena, Alice Braga e Daniel de Oliveira.

Na trama, acompanhamos uma historia de amor pingado entre uma bem sucedida editora de moda chamada Olívia (Alice Braga) que viaja o planeta por conta de sua profissão e do renomado e requisitado fotógrafo José (Daniel de Oliveira). Cada um deles tem suas vidas pessoais as sempre que se encontram o clima de paixão e amor toma conta, tornando-os pessoas extremamente vulneráveis. Essa duas almas, que não estavam nos planos um do outro a cada novo encontro precisam por fim definir essa conturbada e intensa situação romântica.

Com uma edição diferente, às vezes parece um copia e cola sem direção, os diálogos acabam sendo a única forma de comunicação efetiva dos personagens com o público. E a sorte do filme dirigido por Felipe Braga é que esses diálogos são deveras envolventes, fato que traz a atenção do público para tudo que é apresentado na telona. O entrosamento entre os atores em cena é louvável, há uma naturalidade espontânea que nos faz acreditar que estamos vendo o dia a dia de um casal que já conhecemos.

O charme, a rouquidão e o talento de Alice Braga, cada dia mais linda nas telonas dos cinemas, mais uma vez convence o público. Dessa vez, com uma personagem seca, durona que possui um medo de se jogar de corpo e alma a um amor a artista brasileira brilha a todo instante e de uma vez por todas se coloca como uma das melhores atrizes brasileiras no mundo do cinema. Já Daniel de Oliveira se torna um ótimo companheiro de cena com o seu confuso personagem José, um homem que se apaixona perdidamente e muitas vezes se sente perdido dentro desse amor.

Latitudes é um filme que fala a língua do amor. Quem nunca sofreu por antecedência? Quem nunca teve dúvidas sobre um relacionamento? Quem nunca teve medo de arriscar e se jogar num grande amor? Histórias de amor também duram 82 minutos. Viver é se arriscar. Afinal,um dia lindo em Paris é algo imperdível.

Crítica do filme: "Latitudes"



O que seria da vida sem o prazer? Após um corte seco entre os dois volumes, eis que chega aos cinemas brasileiros a parte final da saga ninfomaníaca de Lars Von Trier. Esse segundo volume se torna aos poucos uma viagem culta nas analogias de citações católicas e figuras ligadas de alguma forma à igreja, a arte e a mitologia. Assuntos polêmicos e interpretações esquisitas para alguns assuntos de senso comum contornarão esse filme que merece ser conferido por qualquer amante da sétima arte.

Na trama, acompanhamos os últimos três capítulos da saga da ninfomaníaca Joe (Charlotte Gainsbourg/ Stacy Martin), agora muito mais interpretada pela veterana e musa de Von Trier, Srta. Gainsbourg. Já na fase adulta e muito mais madura continua a contar sua trajetória para o bom ouvinte Seligman (Stellan Skarsgård). Entrando em partes muito íntimas de seu passado amoroso, Joe consegue que seu novo amigo se abra cada vez mais e assim o público começa a entender melhor porquê daquela conversa ter sentido aos olhos de Seligman (Stellan Skarsgård). Surge então um confronto amistoso entre a não-sexualidade com a sexualidade, além dos limites do dito comum. 

Nessa segunda parte, Lars Von Trier leva o público a uma experiência de autodescoberta. O famoso e polêmico cineasta faz o público questionar suas próprias verdades. Um espírito de exclusão toma conta da personagem principal. Mais madura, começa a dividir da moralidade da sociedade e automaticamente vai ganhando mais força e confiança para entender, e assumir com orgulho quem ela é. Empatia transborda em cena por Gainsbourg.

Os raios solares vistos nas frisas das janelas, já na despedida dos personagens, mostra que um certo respirar aliviado foi dado a esses personagens. A história tendo começo, meio e fim bem amarrados já deixa o público, mesmo não concordando com algumas verdades ditas, bem satisfeito. A idéia era chocar, tanto pelo sexo explícito, quanto com as famosas teorias absurdas que Von Trier embute em cada trabalho que assina. Seus filmes são diferentes, seu modo de ver o mundo é peculiar. 

Navegando pelas dores do sadomasoquismo, nas tristezas/mágoas profundas de uma mulher que vive sua vida em torno de sua trajetória e desejos sexuais, Ninfomaníaca – Vol. 2 se justifica como um bom complemento explicativo para quem curtiu a primeira parte dessa inesquecível história. Não deixem de conferir mais um trabalho autoral desse cineasta completamente louco mas sem dúvidas nenhuma genial.

Crítica do filme: 'Ninfomaníaca - Volume 2'



Aquele bom e velho Folk. Aquela boa e velha história de amor. Baseado no Best Seller de  Joyce Maynard, o novo filme da ganhadora do Oscar Kate Winslet fala sobre a perda e a reconquista do amor, o carinho pela figura materna, os conflitos da adolescência, tudo isso reunidos de forma leve, delicada, transpirando sentimentos bons. Dirigido pelo competente Jason Reitman (Juno), Refém da Paixão é um projeto para almas românticas.

A história gira em torno do jovem Henry (Gattlin Griffith), um menino tímido que mora com sua mãe Adele (Kate Winslet) em uma micro cidade no interior dos EUA. Desde que se separou, Adele leva uma vida depressiva e praticamente se isolando cada dia mais da sociedade ao seu redor. Tudo isso muda quando mãe e filho são surpreendidos dentro de um supermercado por um homem ferido que os pressiona por uma carona e acaba seqüestrando os dois. Esse homem chama-se Frank (Josh Brolin), um fugitivo da polícia que possui um passado triste marcado por um ato inconseqüente. Aos poucos esse novo personagem, com exímios dotes culinários, vai conquistando o carinho de mãe e filho que resolvem ajudá-lo a se esconder das autoridades que o procuram.

O filme retrata muito bem o sentimento do filho que sente a solidão da mãe mesmo sem saber direito o que é isso. As mãos trêmulas mostram uma mulher deprimida, arrasada pela vida e que sofre por não conseguir seguir em frente. Personagens com altas doses de drama é sempre uma missão para a Srta. Winslet. A espetacular atriz dá mais um dos seus famosos shows cênicos, domina como poucas a grande tela.

A trama busca fuga numa compreensível melancolia quando nasce um amor. Dançando rumba, criando receitas para deliciosas tortas de pêssego, o fugitivo e a mãe viram cúmplices, amigos, amantes. Uma relação pura e verdadeira vai se criando bem diante dos olhos atentos do espectador. Emoção é o que não vai falta.

Nunca abandone o espírito de amar o amar. Nunca viva nada pela metade. O filme manda inúmeras mensagens aos sonhadores de plantão, uma delas: você esperaria 20 anos para ter mais 3 dias com quem vocês sabem que nasceu para ser o seu amor? (eu sim :) ). Já no desfecho, algumas lágrimas podem brotar em seu rosto, se isso acontecer, não se preocupe! É um choro que limpa a alma e faz bem ao coração.

Crítica do filme: 'Refém da Paixão'