Por trás de um grande sucesso existe sempre uma grande equipe. Com a difícil missão de transformar um famoso jogo em um longa-metragem, os cineastas Clay Kaytis e Fergal Reilly optaram pela criatividade em forma de simplicidade e acertam em cheio no alvo. Angry Birds – O Filme tem um roteiro bem trivial mas bem eficaz que navega explorando as personalidades e gigantes empatias que saem dos diálogos dos amáveis pássaros. Outro fator interessante é que o filme nos ajuda a entender um pouco melhor a história dos ilustres passarinhos do jogo que virou mania nos aparelhos digitais e que com certeza vão conquistar, agora no cinema, de vez o coração de todos.

Na trama, conhecemos uma população de pássaros, com diversas personalidades distintas, que vivem alegremente em uma ilha paradisíaca longe do continente. Nesse lugar, vive o emburrado Red (no original Jason Sudeikis, no Brasil Marcelo Adnet), um pássaro vermelho de sobrancelhas chamativas que vive praticamente isolado do resto dos amigos em uma casinha perto do mar. Durante uma punição, Red conhece o tagarela Chuck (Josh God no original e Fabio Porchat no Brasil), um pássaro amarelo hiperativo que tem o dom do rapidez, e também conhece Bomba (Danny McBride no original), um tímido mas grande pássaro que explode (literalmente) sempre que fica com raiva. Os três amigos praticamente são desconhecidos na ilha, porém, quando um bando de porquinhos verdes invadem a ilha à procura de ovos, o trio irá fazer de tudo para defender o interesse de toda a população de onde moram.

O longa-metragem, que utiliza técnicas de animação, com estreia confirmada para o dia 12 de maio aqui no Brasil, é um filme feito para a criançada. Até há a tentativa de alguns diálogos mais profundos que serviriam para divertir os adultos também mas nessas partes as linhas do roteiro optam pela simplicidade. A aventura tem grandes méritos, valoriza o poder da amizade, explora o complicado caminho das personalidades tentando mostrar os porquês da raiva e outros sentimentos complicados de explicar. Nesse aspecto, é quase tão profundo quanto o espetacular Divertidamente.

Falando sobre a dublagem do filme aqui para o Brasil, vale o grande elogio para toda a equipe, que foi considerada pela produtora do filme como a melhor entre todos os países. Fabio Porchat e Marcelo Adnet, os grandes destaques, dão um show dublando as vozes de dois dos protagonistas. O público interage com as cenas a todo instante, ri praticamente o tempo todo de todas as trapalhadas que a turminha de pássaros apronta durante toda a projeção. Angry Birds – O Filme é uma fita que deverá ter um grande sucesso nos cinemas brasileiros não só porque são personagens fascinantes e já conhecidos, mas, porque a história criada ficou uma delícia de divertida. Não percam!

Crítica do filme: 'Angry Birds – O Filme'



Dirigido e roteirizado pelos craques e experientes cineastas Vittorio Taviani e Paolo Taviani (dos excelentes Pai Patrão e Cesar deve Morrer), Maravilhoso Boccaccio não deixa de ser, a princípio, uma grande homenagem à cultura italiana onde navegam por algumas histórias que estão no famoso livro de Giovanni Boccaccio, Decamerão.  Os irmãos Taviani, com muita habilidade, aos poucos vão explorando as fragilidades dos personagens (que são muitos) de maneira muito objetiva e as sequências vão tomando forma de maneira elegante e muito simpática na tela. O público se sente a todo instante folheando páginas de um livro conhecido mas que dessa vez com imagens que personificam as emoções ligadas ao coração. 

Exibido no Festival de Tribeca 2015 e no Festival do Rio do mesmo ano, Maravilhoso Boccaccio se passa na Florença do século XIV, que foi duramente atingida pela terrível peste negra. Com medo das consequências dessa temível peste, alguns jovens, poucos rapazes e muitas moças, meio que resolvem fugir do caos da cidade e tentam achar abrigo em uma grande casa, distante do epicentro da doença, onde, sem muito o que fazer, resolvem contar histórias para passar o tempo. 

O longa-metragem, que estreia no Brasil na próxima quinta-feira (05), explora a simplicidade para provocar o imaginário, mais ou menos o poder que um poderoso e rico livro tem quando se conecta à nossa imaginação. Algumas cenas parecem um teatro aberto, onde olhamos para cada centímetro buscando absorver tudo que aquela sequência representa para a história. A dor e o medo são os primeiros a serem encontrados, exemplificado no instinto clássico de sobrevivência que nesse caso é valorado pela fuga. A amizade logo chega de maneira predominante e regras são impostas para fazer a ponte com outro sentimento: a dúvida, que se mostra presente do segundo ato em diante, às vezes camuflada de ansiedade.

Maravilhoso Boccaccio é um daqueles trabalhos que conquistam o público já nas primeiras cenas. Tudo é tão delicado que beira ao poético. Não percam este lindo filme.

Crítica do filme: 'Maravilhoso Boccaccio'



E se Adolf Hitler acordasse na Berlim de hoje? O que aconteceria? Qual seria sua reação e a do povo? Brincando com a imaginação, o cineasta David Wnendr comanda um filme assustador pela ideia e cômico como longa-metragem. Ele está de Volta brinca de maneira séria com uma das pessoas mais odiadas que já existiu neste planeta, como seria seu modo de pensar nos dias atuais, suas metas de governo, tudo isso em forma de sátira e diálogos impactantes além de pitadas equilibradas de humor. Interpretado pelo ator alemão Oliver Masucci, o personagem principal se torna praticamente uma espécie de Borat, deixando em algumas sequências a própria reação abismada dos que acompanhavam a filmagem tomarem conta das cenas.

Na trama, já no século XXI, um homem acorda em pleno gramado, onde perto estão fazendo uma gravação. Esse, não é um homem desconhecido, é o ditador Adolf Hitler que acorda fardado e meio sem entender onde está, consegue refúgio em uma banca de jornal onde começa a se atualizar sobre sua atual situação. Certo dia, um fracassado jornalista resolve procurá-lo e o leva ao poderoso mundo televisivo onde o Hitler dos dias atuais terá bem mais que 15 minutos de fama. 

Bem menos sério que o excelente A Onda, Ele está de volta explora com bom humor e pitadas de atos grosseiros como seria o modo de pensar de Hitler para a situação da Alemanha hoje, sem perder o seu poder de convencimento sobre suas ideias. O restante dos personagens viram meras marionetes nas mãos do Ex-Führer. O filme, que estreou na Alemanha no ano passado, e que chegou faz pouco tempo no netflix, se coloca mais ou menos como Sacha Baron Cohen e seu Borat, explorando o universo das cenas gravadas abertas, com a participação do público para as situações do filme. 

O longa-metragem ganha muita força quando embarca no universo poderoso do poder da mídia e a influência da mesma na vida das pessoas. Hitler aparece em diversos programas de televisão e toma conta da audiência, parece que relembramos os livros de história do segundo grau quando líamos sobre o poder das orações desse homem que quase dominou o mundo com seus ideais polêmicos e cruéis. O que deixa mais abismado é a reação de algumas pessoas quando acham que Hitler é apenas um ator (dentro do contexto do filme), vira celebridade instantânea e ganha a atenção de muitos. 

Ele está de volta não estreou na janela cinema. Se tiver oportunidade de assistir, assista. É um trabalho muito interessante e que nos faz refletir a todo instante.

Crítica do filme: 'Ele está de Volta'

Uma das grandes graças do maracanã, a alegria do povo, uma história que infelizmente só iremos ver nos registros e nos depoimentos apaixonados pelo mundo da bola. Dirigido por Pedro Asbeg e Renato Martins, o longa-metragem Geraldinos presta uma homenagem ao grupo de torcedores mais famosos de um estádio de futebol brasileiro. Com imagens históricas de uma época em que o torcedor podia acompanhar seus ídolos de pertinho, o filme navega por depoimentos e imagens marcantes de um época que bate saudade.

Geraldinos investe forte na lógica de preencher seu espaço até virar um longa-metragem com imagens interessantes que compõem uma narrativa saudosa e simpática. Já no segundo arco, o projeto vai a fundo na questão do extermínio da geral. Antigamente, desde a década de 50, o maraca era uma grande arena da democracia, ingressos a preços populares que reunia todas as classes sociais em volta de um jogo. Após a entrada de empresas, todo o processo polêmico de privatização, no comando deste patrimônio cultural a cidade, tudo aquilo que existia se foi, mesmo sabendo que a cultura que o futebol representa é maior que qualquer empresa privada.


Com depoimentos de grandes ex-jogadores e competentes jornalistas esportivos cariocas como Apolinho, o galinho Zico, o baixinho Romário, Lúcio de Castro vamos percebendo a tristeza nas falas por conta do extermínio de um ponto do mais conhecido estádio do planeta que nunca poderia ter se encerrado.  Chegamos a conclusão que é uma derrota de um projeto de cidade, a eletização dos espetáculos da cidade de alguma maneira reflete em um maracanã mais fraco, que é para alguns e não para todos.

Crítica do filme: 'Geraldinos'



Dirigido pelo cineasta Ericson Core, o remake do clássico de Bigelow, Caçadores de Emoções é mais um daqueles filmes, oriundos de outro, que nunca deveriam ter saído da imaginação do roteirista. Com uma trama nada envolvente, atuações pífias (extremamente forçadas) e uma direção que mais parece querer criar vários clipes de músicas agitadas da MTV, o projeto nem de longe é a homenagem que a galera de Keanu Reeves e Patrick Swayze merecia por ter marcado todo uma geração com o primeiro original.

Na trama, conhecemos o ex-perito em esportes radicais Utah (Luke Bracey), que agora é agente do FBI, que descobre uma quadrilha especializada em esportes radicais que não obedece a lei. Sendo assim, pede permissão para se infiltrar como agente disfarçado nessa quadrilha e assim acaba conhecendo o líder do bando Bodhi (Edgar Ramirez), um homem cheio de inconsequências nas ações que busca percorrer 7 desafios que ninguém nunca conseguiu. 

Esse remake muito se diferencia do filme original. Alguns rasos paralelos como os nomes dos personagens, uma leve lembranças ao clássicos assaltos a banco com rostos de ex-presidentes norte-americanos, são o que encontramos à vista grossa de semelhança. Tudo é muito diferente. O roteiro não consegue ter o brilho que o primeiro tinha. A direção não chega aos pés, nem à criatividade, que Bigelow conseguiu no primeiro filme. A dupla de protagonista deste...melhor nem comentar. Inventar um universo em cima de outro universo precisa ser um trabalho quase que perfeito para que tenha alguma chance de sucesso no mundo mágico do cinema. Obviamente, Caçadores de Emoções do ano de 2016 não consegue isso.

Em vez de cuidar com carinho do lado emocional dos personagens e tentar passar um pouco de emoção ao público, o diretor optou por focar nas cenas de ação e adrenalina que mais parecem clipes de esportes radicais.  

Crítica do filme: 'Caçadores de Emoções (2016)'