O homem nasceu para lutar e a sua vida é uma eterna batalha. Escrito e dirigido pelo cineasta francês Dagur Kári (diretor do ótimo O Bom Coração) Fúsi, no original, é uma grande fábula moderna sobre a solidão e o ato simples de recomeçar a vida. Muito definido em seus arcos, o roteiro navega com muita suavidade para dentro dos sentimentos do protagonista que são lapidados por características bastante peculiares e muito bem executadas pelo ótimo ator Gunnar Jónsson.  Desajustados é um daqueles filmes que entram no circuito de maneira discreta e surpreendem a gente.

Na trama, conhecemos o solitário Fúsi (Gunnar Jónsson), um ser humano que leva uma vida monótona em uma cidadezinha europeia. Fúsi trabalha no departamento de cargas e bagagens do aeroporto de sua cidade e quase diariamente sofre Bulliyng de alguns colegas de trabalho. O protagonista mora com sua mãe e seu padrasto, e certo dia, o segundo matricula Fúsi em uma aula de dança onde ele acaba conhecendo Sjöfn (Ilmur Kristjánsdóttir) e essa pode ser a grande chance dele descobrir uma nova vida.

O protagonista é repleto de curiosidades que fazem dele um ser humano único.  Se diverte jogando uma espécie de war com bonequinhos (Possui na sala de casa um modelo em miniatura da Batalha de El Alamein - durante a Segunda Guerra foi nesse campo de batalha que os aliados derrotaram pela primeira vez os nazistas), janta  no mesmo restaurante toda sexta-feira, quase toda noite liga para a rádio local e pede um heavy metal pesado para o apresentador do canal, além, de gostar de comer algo parecido com Nescau misturado no leite pela manhã, possuir um relacionamento até certo ponto distante com sua mãe e possuir uma capacidade fora do normal de agüentar as inúmeras pancadas que a vida lhe dá. 

Detalhista, a câmera do diretor faz questão de transportar o espectador para qualquer variável que se apresente na trajetória do protagonista. A solidão é muito bem desenvolvida nesta linha do detalhe. Na cena do restaurante, onde a lente da câmera aponta para o guardanapo e talheres que são retirados, já que Fusi jantará novamente sozinho, é delicada e abre espaço para o segundo ato. A questão dos detalhes aponta ainda para uma inteligente analogia entre um campo de batalha e as dificuldades do nosso dia a dia.

Nomeado para alguns prêmios internacionais, Desajustados, diretamente da Islândia, chega ao circuito brasileiro nesses próximos dias e merece muito ser conferido.

Crítica do filme: 'Desajustados'

Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe. Dirigido pelo experiente em filmes de comédias, Sean Anders, Pai em Dose Dupla estreou há algumas semanas em nosso circuito de cinema trazendo mais uma vez a possibilidade do público assistir a um filme de sessão da tarde antes dele estrear na própria sessão da tarde. Misturando raros momentos interessantes com um show de trapalhadas ao estilo Os Trapalhões, o longa-metragem que tem a dupla Will Ferrell e Mark Wahlberg como protagonistas é mais um daqueles projetos que vamos esquecer rapidamente até o final do ano.

Na trama, conhecemos Brad (Will Ferrell), um homem certinho que vive uma vida confortável ao lado da esposa e dos dois filhos dela. Brad não é o pai biológico das crianças e seu grande sonho é que elas o respeitem como pai. Certo dia, o pai biológico das crianças, Dusty (Mark Wahlberg), volta depois de muito tempo sem aparecer e Brad precisará enfrentar as inúmeras tentativas dele em atrapalhar o cotidiano de sua família.

 Se o filme conseguisse se livrar das inúmeras besteiras que o roteiro apronta, o ponto principal da história não seria tão mal desenvolvido. Falar sobre paternidade é sempre interessante, quando o assunto é tratado com mais criatividade. Jogar ‘dois pais’ em cenas fazendo milhares de bizarrices para provar quem é melhor, é uma das ideias mais vistas em longas metragens hollywoodianos em toda a história do cinema. A falha principal é essa, não ser criativo na hora de desenvolver uma trama já vista em muitos outros filmes.

Outro fato que chama a atenção é o não desenvolvimento do personagem de Will Ferrell ao longo do longa, de protagonista inicial vira um coadjuvante quase imperceptível voltando a ter luz apenas nos momentos onde se precisa de dois personagens para executar alguma cena bizarra, seja andando de moto e ficando preso em uma parede, seja sendo constrangido por um médico especialista em fertilidade.


Pai em Dose Dupla em seu resumo final se propõe a divertir o público com a mesma fórmula de outros filmes. Será que consegue? 

Crítica do filme: 'Pai em Dose Dupla'



Um amigo se faz rapidamente, já a amizade é um fruto que amadurece lentamente. Vencedor de alguns prêmios na última e famosa premiação Goya, o novo longa-metragem do cineasta espanhol Cesc Gay, Truman, é um projeto que transborda emoção, delicadeza e reúne dois dos grandes atores deste planeta, Javier Cámara e Ricardo Darín. Ao longo dos 108 minutos de fita, somos envolvidos, já nos primeiros minutos, por essa linda história.

Na trama, conhecemos o pacato Tomás (Javier Cámara), um homem de meia idade que mora no Canadá e convencido pela esposa embarca em um vôo para a Espanha onde irá encontrar o seu melhor amigo de toda uma vida, Julian (Ricardo Darín) um ator que está à beira do falecimento por conta de tumores que se espalharam por seu corpo e busca um novo e futuro lar para seu fiel companheiro, Truman. Ao longo de poucos dias, a dupla viverá situações inesquecíveis, misturado a um tsunami emocional, que se juntarão ao grande álbum de amizade que colecionam durante anos.

Os arcos são delimitados, um a um, por um dedilhado sonoro encantador. A trilha sonora é um elogio à parte, tamanha delicadeza e encaixe perfeito chega em nossos corações como uma flecha repleta de emoção. Os diálogos entre os velhos amigos são ótimos, repletos de nostalgia, humor peculiar, carinho, afeto e uma curta chama de esperança. A direção de Cesc Gay é segura e prefere explorar todos os curtos planos da maneira mais simples possível, dando muita veracidade e emoção às sequências. 

Reunindo todo tipo de sentimentos e reações das pessoas que Julian encontra nesses últimos dias aproximam o filme de uma realidade e naturalidade que impressiona. O personagem tinha tudo para ser caricato por conta das inusitadas ações que se assegura, mas Darín é Darín. Com uma potência impressionante na arte de prender a atenção do público um dos melhores atores do mundo não deixa também de se auto homenagear interpretando um ator e contracenando nos palcos dos teatros. Grande e conhecida paixão deste tremendo artista. Javier Cámara também brilha bastante, em um papel muito difícil que executa com grande brilhantismo. Reunir dois espetaculares atores dá nisso, um filme inesquecível e comovente que deixará até os corações mais frios, bastante emocionados.

Crítica do filme: 'Truman'

A força da maternidade é maior que as leis da natureza. Lançado na Suécia em setembro de 2014, o longa-metragem Min så kallade pappa (ainda sem tradução para o Brasil) é um daqueles belos filmes que infelizmente quase certo de eu nunca veremos por aqui. O projeto conta com o grande ator sueco Michael Nyqvist e é dirigido pelo experiente diretor Ulf Malmros. Utilizando bem a realidade e os pés nos chão para contar uma história que tinha tudo para ser um filminho de sessão da tarde, Min så kallade pappa é um filme que você precisa conferir.

Na trama, conhecemos a futura mamãe e professora do jardim de infância Malin (Vera Vitali), uma mulher com garra e atitude que está passando por um momento de separação com o futuro pai de seu primeiro filho. Definida a tomar atitudes corajosas sobre seu futuro, resolve ir em busca do pai que nunca conhecemos, Martin (Michael Nyqvist), um veterano ator de teatro que nunca fez questão de procurar notícias de sua única filha. Durante o inusitado encontro, Martin sofre uma espécie de derrame e perde parte da memória. Assim, é a grande oportunidade de Malin se aproximar de seu desconhecido pai.

 O fato que mais chama a atenção nesta fita sueca é a forma realista que o diretor apresenta os fatos e segue as linhas dos diálogos neste forte drama. Martin e sua personalidade forte, parece lutar contra seu passado a todo instante, até quando perde a memória. Malin vive todos os atos do filme atormentada por um passado que se mistura com o presente, sentindo que o futuro filho vai sofrer da mesma forma como sofreu quando seu pai a rejeitou quando criança. A linha de raciocínio para entendermos melhor a profundidade das características de cada personagem é feita de maneira brilhante.


Min så kallade pappa é para corações fortes, se aproxima um poucos das duras realidades mostrada por Susanne Bier e um pouco da poesia melancólica dos trabalhos de Isabel Coixet. Ao longo das cerca de duas horas de projeção o público se emociona e torce pela sofrida personagem a todo instante.  Min så kallade pappa é um belo filme que mescla uma realidade quase que infinita e uma linda poesia quase que melancólica. 

Crítica do filme: 'Min så kallade pappa'

Faça cada aventura de sua vida valer a pena. Desde fevereiro, um grande sucesso na Itália, França, Argentina, a nova aventura utilizando as técnicas de animação Zootopia é uma das grandes histórias voltadas ao público infanto-juvenil deste ano. Com muita intelecção e personagens cativantes consegue ensinar diversas lições para a criançada. Pelo trailer, a animação parecia ser até certo ponto bobinha e sem muitas novidades mas quando você assiste ao filme percebe o quão profundo e brilhante uma aventura pode ter ao nossos olhos.

Com direção dos cineastas Byron Howard (Enrolados) e Rich Moore (Detona Ralph), na trama de Zootopia, conhecemos a sonhadora coelhinha Judy Hopps que sonha em ser uma grande policial e defender o planeta do mal. Quando uma série de desaparecimentos pairam sobre a cidade de Zootopia, a agora recruta da polícia Judy percorre cada espaço da cidade atrás das pistas para resolver esse grande mistério. A simpática personagem contará com a ajuda da debochada raposa Nick Wilde.

Um dos grandes ensinamentos deste belo trabalho são os entendimentos bem didáticos sobre o mundo dos animais. Zootopia é uma espécie de cidade habitat, onde os animais meio que se dividem sem nunca esquecer que podem conviver juntos como se fossem uma só espécie. A protagonista, uma coelinha, é forte, inteligente e quebra qualquer raciocínio sobre a fragilidade que um coelho pode ter em nossa realidade. A grande vilã da trama (sem dizer quem é para não entregar spoilers), é de uma espécie que nunca imaginaríamos fazer algum mal. Essa quebra de paradigmas é muito interessante e traz vários ensinamentos.


No segundo ato em diante a trama ganha mais contornos profundos e parte dos mistérios começam a ser descobertos. Saímos de um filme fofinho para uma trama bem aos contornos de Agatha Christie. Toda essa força do roteiro, assinado pela dupla Jared Bush e Phil Johnston (Detona Ralph),  é fabulosa e faz a criançada não tirar os olhinhos da telona. Zootopia estreia no Brasil daqui duas quinta-feiras (17) e promete ser mais um grande sucesso de um dos estúdios que mais emocionam o coração de todos nós. 

Crítica do filme: 'Zootopia'



A vingança nos torna igual ao inimigo. O perdão nos torna superiores a ele. Será? Após um longo hiato, de exatamente 18 anos, desde seu último filme como diretora, a cineasta australiana Jocelyn Moorhouse (Colcha de Retalhos) volta às telonas dessa vez para contar uma história que flutua levemente em vários gêneros com muita personalidade. A Vingança está na Moda é um filme que deve agradar demais aos fanáticos fãs da excepcional atriz Kate Winslet, que mais uma vez dá seu conhecido show em cena.

Na trama, somos rapidamente apresentados a Myrtle 'Tilly' Dunnage (Kate Winslet), uma elegante costureira que conseguiu que seu trabalho fosse reconhecido na conhecida Paris. Tilly está voltando para casa, lugar onde não tem boas recordações. Quando pequena, foi acusada de causar um acidente, que teve como conseqüência o falecimento de um menino, e assim foi enviada para fora da cidade rural australiana onde vivia. Mas agora, anos se passaram e Tilly está de volta e busca sua redenção misturada com vingança sobre todos que conspiraram para o grande abalo que sofrera sua família.  Assim, Tilly contará apenas com a ajuda de Teddy (Liam Hemsworth), um simpático morador da esquisita cidade, do hilário sargento Farrat (Hugo Weaving em grande atuação) e de sua mãe, a complicada Molly Dunnage (Judy Davis, excelente no papel).

Um dos grandes destaques do filme é a força do seu elenco. Moorhouse consegue com muita inteligência aproveitar cada um dos personagens em cena, principalmente os coadjuvantes que dão todo o charme e elevam a protagonista sempre com ótimos diálogos. O filme tem um ‘q’ de Twin Peaks, talvez pela força peculiar das características dos personagens, talvez por ser uma micro cidade praticamente isolada do planeta, talvez pelas ações inconseqüentes e, no mínimo, estranhas de muitos dos personagens. A fita navega em diversos gêneros, sempre com muita margem para explicar detalhadamente as ações dos personagens, talvez por isso o filme tenha ficado um pouco longo demais (118 minutos) mas nada que atrapalhe excelentes cotações para este belo trabalho. 

Sempre reclamamos das traduções dos títulos de muitos filmes que chegam ao circuito anualmente. Dessa vez, o título caí como uma luva em relação a todo o contexto da trama. Baseado no livro The Dressmaker, de Rosalie Ham, A Vingança está na Moda estreia no Brasil este ano ainda e promete agradar bastante.

Crítica do filme: 'A Vingança está na Moda'

É mais fácil lidar com uma má consciência do que com uma má reputação. Dirigido pelo experiente diretor britânico Stephen Frears (Alta Fidelidade), The Program mostra os detalhes mais profundos de um fato real que abalou o mundo do esporte e conseguiu transformar um herói norte-americano do esporte em um grande traidor e anti desportista. Com um excelente roteiro adaptado, assinado pelo craque John Hodge (Trainspotting - Sem Limites), uma baita atuação do sempre dedicado Ben Foster e uma direção muito correta de Frears, o longa-metragem promete gerar mais indignação sobre esse famoso caso mundial.

Na trama, baseada totalmente em fatos reais, tendo como base o livro Seven Deadly Sins: My Pursuit of Lance Armstrong, do jornalista David Walsh (no filme interpretado por Chris O'Dowd), conhecemos a curiosa trajetória do ciclista Lance Armstrong (Ben Foster), um atleta que conseguiu o impossível, vencer o mais difícil torneio de ciclismo do mundo, o Tour de France, por nada mais nada menos que sete vezes consecutivas, entre os anos de 1999 e 2005. Tratado como herói norte-americano, tendo que superar um inesperado câncer, o ex-campeão era praticamente um Deus em sua terra natal. Até que um dia, tudo que ele fez vai ralo abaixo quando é comprovado, e tardiamente confessado por Armstrong, que ele fez parte de um programa de dopagem.

Ao longo dos 103 minutos de projeção, passados de maneira bem dinâmica e inteligente, vamos acompanhando, perplexos, todo o desenrolar da trama, que mostra detalhadamente uma corrupção dentro de um esporte amado por muitos. O filme é bem forte e resolve mostrar tudo mesmo, talvez pelas fortes certezas sobre o acusado, talvez por ser uma produção britânica. O pilar, também central, da trama é o jornalista David Walsh (Chris O'Dowd), um amante do ciclismo do bem que embarca em uma busca frenética onde teve que suportar diversos tipos de pressões, tanto de pessoas ligadas ao alto escalão do ciclismo na época, quanto do próprio jornal onde escrevia para poder provar e comprovar a dopagem de Armstrong. Analisando os fatos apresentados neste projeto, imaginamos como será a reação do público norte-americano ao filme, que estreia na ‘casa de Armstrong’, nos Estados Unidos, no dia 18 de março deste ano.


Lançado no último Festival de Toronto, The Program não fala sobre heróis, fala sobre vilões, e também sobre os falsos limites que o ser humano se impõe para poder vencer a qualquer custo.  Em ano olímpico no Brasil, um filme como esse só reforça a obrigação dos atletas em respeitar o espírito olímpico, competindo com lealdade e honestidade. E quem não respeitar, que seja banido do esporte, como Lance foi.  

Crítica do filme: 'The Program'