Dirigido por Ariel Winograd, ‘Meu Primeiro Casamento’ é um filme argentino de comédia que fez um tremendo sucesso ano passado, conseguindo o posto de número um no ranking dos hermanos, em relação à bilheteria. Lembra a dinâmica e as sucessivas confusões que ocorrem em filmes como: ‘Morte no Funeral’ (filme inglês de comédia) e outros. Pena que é recheado de clichês americanos.

Na trama, um homem e uma mulher, no dia do casamento deles, se metem em diversas confusões que começam com a perda do anel por uma das partes. Fora isso, dois amores do passado (Mica e Miguel Ángel) tentam confundir os sentimentos dos noivos. A primeira foi um rápido romance que o noivo teve há tempos atrás. Já o segundo, é um ex-professor da noiva, na Universidade de Buenos Aires, que dá em cima dela descaradamente durante toda a festividade. A abertura trivial e original (muita criatividade de quem produziu) é feita através de tirinhas de quadrinhos e que acabam entregam um pouquinho da história, que tem o roteiro assinado por Patricio Vega.

Leonora é a noiva. Ama seu noivo mas dá a entender que no fundo, desconfia se ele é o cara certo para ela. Seus impulsos aos pensamentos de Lacan misturados ao seu gênio forte ficam claramente expostos em muitas cenas, principalmente quando começa a perder o controle da situação. Natalia Oreiro, a intérprete de Leonora, é um colírio para os olhos cinéfilos.

Daniel Hendler é Adrián Meier, o noivo. Rapaz muito atrapalhado que compromete todo o dia festivo (seu casamento, no caso) após um ato de tremenda ingenuidade. Conta com a ajuda de seus primos para recuperar o objeto precioso perdido (isso tudo durante a festa).

Longe das confusões que rolam no sítio aonde acontece a festança, um padre e um rabino estão à caminho da cerimônia, já que cada personagem quer a presença religiosa que são adeptos na hora de dizer o tão sonhado ‘sim’. Como se perdem no meio da estrada, um papo religioso longo é bastante cômico e provocativo ocorre entre os religiosos. É um dos pontos altos do longa, sem dúvidas!

O filme estréia por aqui no Brasil dia 16 de março. Diverte, mas sempre esperamos muita originalidade nas produções dos nossos hermanos, fato que não ocorre com essa fita.

Crítica do filme - ‘Meu Primeiro Casamento'

Dirigido por Ariel Winograd, ‘Meu Primeiro Casamento’ é um filme argentino de comédia que fez um tremendo sucesso ano passado, conseguindo o posto de número um no ranking dos hermanos, em relação à bilheteria. Lembra a dinâmica e as sucessivas confusões que ocorrem em filmes como: ‘Morte no Funeral’ (filme inglês de comédia) e outros. Pena que é recheado de clichês americanos.

Na trama, um homem e uma mulher, no dia do casamento deles, se metem em diversas confusões que começam com a perda do anel por uma das partes. Fora isso, dois amores do passado (Mica e Miguel Ángel) tentam confundir os sentimentos dos noivos. A primeira foi um rápido romance que o noivo teve há tempos atrás. Já o segundo, é um ex-professor da noiva, na Universidade de Buenos Aires, que dá em cima dela descaradamente durante toda a festividade. A abertura trivial e original (muita criatividade de quem produziu) é feita através de tirinhas de quadrinhos e que acabam entregam um pouquinho da história, que tem o roteiro assinado por Patricio Vega.

Leonora é a noiva. Ama seu noivo mas dá a entender que no fundo, desconfia se ele é o cara certo para ela. Seus impulsos aos pensamentos de Lacan misturados ao seu gênio forte ficam claramente expostos em muitas cenas, principalmente quando começa a perder o controle da situação. Natalia Oreiro, a intérprete de Leonora, é um colírio para os olhos cinéfilos.

Daniel Hendler é Adrián Meier, o noivo. Rapaz muito atrapalhado que compromete todo o dia festivo (seu casamento, no caso) após um ato de tremenda ingenuidade. Conta com a ajuda de seus primos para recuperar o objeto precioso perdido (isso tudo durante a festa).

Longe das confusões que rolam no sítio aonde acontece a festança, um padre e um rabino estão à caminho da cerimônia, já que cada personagem quer a presença religiosa que são adeptos na hora de dizer o tão sonhado ‘sim’. Como se perdem no meio da estrada, um papo religioso longo é bastante cômico e provocativo ocorre entre os religiosos. É um dos pontos altos do longa, sem dúvidas!

O filme estréia por aqui no Brasil dia 16 de março. Diverte, mas sempre esperamos muita originalidade nas produções dos nossos hermanos, fato que não ocorre com essa fita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário