quinta-feira, 21 de junho de 2012

Crítica do filme: 'A Fada'


Usando a mesma dinâmica de “Rumba” os diretores Dominique Abel, Fiona Gordon, Bruno Romy tentam se encaixar no mercado cinematográfico de vez com o inusitado “A Fada”. Com carismáticos e performáticos personagens essa fita francesa tem um roteiro cheio de surpresas mas incomoda com a extensão da não-realidade nas sequencias, por mais que seja a base da proposta da produção.  

Na trama, um atrapalhado e azarado funcionário de um pequeno hotel, após inúmeras tentativas de mudar sua rotina (a impressão é essa) acaba encontrando em seu caminho uma fada que promete realizar três desejos sejam eles quais forem. Após completar 2/3 do prometido, desaparece fazendo com que o ex-azarado ronde a região do hotel em busca de sua fada.

Os personagens parecem que conseguem levar o público para dentro da trama. Cada movimento, cada ação peculiar, cada frase possui um certo impacto aos olhos cinéfilos. Por ter esse jeitão diferentão é que a fita se torna extremamente atraente, menos, quando exagera nos sentidos das ações e no seu complemento das lacunas por meio da ‘não-realidade’. É um filme que se você conseguir se conectar nos dez minutos iniciais achará o filme bom, senão, vai querer sair correndo de dentro do cinema. A história, longe de ser superficial, é deveras original elevando o grau de atenção do espectador de maneira leve e descontraída com um toque de alma e essência de cinema francês.

Se você gosta de filmes leves que possuem uma proposta diferente, não deixe de conferir esse filme. Caso contrário, mesmo sendo cinéfilo, pode não curtir. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário