sábado, 29 de setembro de 2012

Crítica do filme: 'Encontrarás Dragões'


Encontrarás Thalia

Escrito e dirigido pelo famoso diretor inglês Roland Joffé (“A Missão”), “Encontrarás Dragões” é uma fita que fala sobre a religião e o conflito em uma Espanha devastada pela guerra civil. O contexto (premissa) é interessante mas infelizmente Joffé não consegue criar uma boa diversão. O filme tem ritmo de trailer, não há profundidade em nada. O grande vazio existencial vai de encontro ao extremismo do drama, parece que estamos em uma novela mexicana. Aquelas mesmo que passavam de tarde e de noite naquela emissora paulista que conhecemos. A trilha mal encaixada tira o sentido de quase todas as cenas do filme. É um trem sonoro desgovernado que acompanha a história do início ao fim. O que perguntamos é o porque não desligaram a discoteca das cenas?

Na trama, nesse encontro entre a fé e a guerra, somos guiados para uma outra época por Roberto Torres (Dougray Scott), um jornalista e escritor que percorre a Europa em busca de informações sobre uma figura religiosa emblemática que está para ser canonizado. Já investigando a história, no passado desse homem, descobre que seu próprio pai o conheceu e tem muitos segredos para contar sobre aquela época, auge do conflito civil que ocorreu na Europa em décadas passadas. Entre confissões e relatos emocionados Roberto cada vez mais é forçado a tentar uma reconciliação com o pai que não vê faz oito anos.

Aos poucos a trama tenta se encaixar mas mesmo assim tudo fica muito confuso como se não houvesse uma ordem específica, com certeza apresenta problemas sérios na montagem. No ritmo de novela mexicana, o filme tinha que se chamar “Encontrarás Thalia”. Tudo é muito exposto, sem explicações, rasas são as características dos personagens que deixam o público confuso em cada corte de cena. A amizade que existia entre Josemaría Escrivá e Manolo Torres é pouco explorada ficando difícil juntar as peças para aquele desfecho de demonstração de amizade.

Sobre o fundador da “Opus Dei”, pelo filme, sabemos apenas que enfrentou problemáticas cristãs e sofreu perseguição dos rebeldes esquerdistas na Espanha de outrora.  Sobre a instituição hierárquica da Igreja Católica apenas uma menção já no desfecho da trama, o que é um não atrativo aos cinéfilos, já que a maioria das pessoas se interessará pelo filme por conta da menção dessa instituição.

Resumindo, não houve encaixe e sim muito de nada. Nesse caso, é melhor encontrar a Thalia do que dragões.

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging