domingo, 30 de setembro de 2012

Crítica do filme: 'Tudo o que Você Tem'


Triste e profundo quanto algumas músicas do Radiohead

Sem ligações humanas a vida não tem sentido. O longa canadense “Tudo o que Você Tem” é um drama nada superficial sobre erros de um passado triste. O filme, que é dirigido por Bernard Emond, invoca a alma dramática e a questão existencialista. Durante os poucos mais de 90 minutos de fita vamos passeando pela tristeza do protagonista e entendendo aos poucos o porquê de tamanha solidão.

Na trama, somos apresentados a Pierre Leduc um professor universitário que abandonou a arte de lecionar para traduzir a obra de um poeta polonês chamado Edward Stachura. Sujeito pacato, mal humorado, Pierre parece que traz alguns traumas do passado para seu presente triste. Sua vida nunca esteve bem, O pai (que sacaneia todo mundo a mais de 40 anos) está morrendo de câncer (os médicos não dão mais de 3 meses a ele) e quer lhe deixar uma fortuna que Pierre insiste em não aceitar. Um dia, uma garota que alega ser sua filha o procura. Pode ser que a luz no fim do túnel vem em forma de relação paternal. Mas será?

Encontrando uma razão de viver que talvez tenha posto em um bolso furado. As citações do autor polonês vão guiando a trajetória de redescoberta desse solitário ser humano. O personagem parece sentir necessidade de ficar sozinho, passou metade da vida dentro de livros, chega a ser tão triste e profundo quanto algumas músicas do Radiohead. Pequenos raios de felicidade começam a aparecer em sua vida, principalmente com a chegada de sua filha de 13 anos que ele nunca procurou (o gosto pela literatura é um elo que aos poucos vai unindo essas duas almas). Essa nova relação mexe com ele e o leva a forçar uma mudança que novamente o levará ao passado mas dessa vez para tentar trilhar um novo caminho.

Pequenos flashbacks no passado confuso de Pierre vão tentando preencher lacunas e direcionando os caminhos do seu destino ao público. É um típico filme Cult, muita gente vai gostar muito gente vai se entediar. Tudo que você leitor tem é a chance de conferir esse bom trabalho que está em cartaz em algumas sessões do Festival do RJ 2012. 

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging