Crítica do filme: 'Marcados para Morrer'


Aflição e realidade urbana com muita intensidade. Marcados para Morrer,  o novo filme de ação de David Ayer (Os Reis da Rua) que também escreveu o roteiro, é um longa-metragem que se caracteriza por conter cenas impactantes que transportam rapidamente o espectador para dentro da história. O projeto é corajoso e muito bem definido, fruto do ótimo roteiro que guia o público para o mundo das ruas mais perigosas dos Estados Unidos.

Na trama somos jogados em uma espécie de reality show, fruto de um trabalho de pesquisa do oficial Brian Taylor que resolve filmar o dia-a-dia de uma unidade de combate ao crime, assim a história se desenrola ao extremo depois que dois jovens oficiais estão marcados para morrer quando confiscam uma pequena quantia de dinheiro e armas de fogo poderosas pertencentes à membros de um cartel perigoso que domina a região a anos. Entrando em conflito com federais, criminosos locais, conflitos familiares eles precisarão encontrar forças para sobreviver.

A dupla protagonista possui um entrosamento ideal e conseguem passar toda a dificuldade de seus conflituosos personagens. Jake Gyllenhaal (O Segredo de Brokeback Mountain) e Michael Peña (O Poder e a Lei) merecem muitos dos créditos positivos que o filme possui. A definição de seus papéis vai de encontro à realidade, buscam o conflito, transparecem o esgotamento daquela situação caótica em que se metem. Um trabalho digno de aplausos dos cinéfilos amantes de Fogo contra Fogo, Scarface, Dia de Treinamento entre tantos outros projetos que possuem o mesmo tema.

Qual é o papel do herói (interrogação) Esse conflito é mostrado no filme, parte nos atos de coragem da dupla protagonista e outra parte nas consequências desses mesmos atos. Será que todo herói precisa ser inconsequente (interrogação)  A exposição das ações tomadas pelos oficiais os leva a um esgotamento físico e mental, um cenário perturbador onde fica difícil tomar a decisão correta no momento que precisar.

É uma produção para quem gosta de filmes do gênero. Mas não surpreenderá se agradar a quem não está acostumado com tanta adrenalina em cena. Recomendado.

You Might Also Like

0 comentários