quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Crítica do filme: 'Reino Gelado'


Estimado em sete milhões de dólares, a animação em 3D, Reino Gelado chega aos nossos cinemas tentando convencer os pais a levar seus filhos para conferir a saga de uma menina para salvar o irmão. Escrito e dirigido pela dupla Vlad Barbe, Maksim Sveshnikov o longa infantil peca pela superficialidade da trama e personagens coadjuvantes muito mal relacionados com o contexto da história, o que cria um hiato gigante, quase um limbo, entre o que ocorre na telona e o público.

Desejando criar um novo mundo no qual o vento polar esfrie as almas humanas, a terrível Rainha da Neve cobre todo o planeta de gelo deixando o caos se instaurar. A última ameaça aos seus planos estaria no mestre-vidreiro Vegard que tem um artefato que pode reverter a ação. Assim, sequestra Vegard e sua esposa, mas deixa seus filhos Kai e Gerda para trás. Anos mais tarde os irmãos se unem, ao lado de outros amigos, para tentarem reverter de vez a situação.

Reino Gelado fala sobre união e comportamento familiar, só que de maneira superficial. Durante a jornada, a personagem principal encontra pelo caminho outros personagens excêntricos como uma cigana pirata, uma família desunida que tem a casa dividida (literalmente) e uma jardineira carente e maléfica. A trama é fraca e não prende o espectador em nenhum momento. A história é rasa e contada de forma rápida, o que atrapalha a interação com o público.

Os personagens são apenas comuns, nada especiais, talvez o furão engraçado, um dos companheiros de viagens, tenta dar uma espécie de sobrevida ao longa, mesmo que exagerado ao extremo. Lembra vagamente o filme da princesa Anastásia, por conta da semelhança entre as personagens e o cenário frio, russo, estilo era glacial. Tem um clima bem carregado para o lado dramático, com personagens sofridos e sobrecarregados de emoção.

O longa de animação russo Reino Gelado chega aos nossos cinemas na próxima sexta-feira (22). É uma das poucas opções para os pais que querem levar os filhos ao cinema. O filme é cheio de boas intenções mas sabemos que boas intenções não fazem um filme ser bom.

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging