domingo, 15 de setembro de 2013

Crítica do filme: 'Cabaré Biblioteca Pascoal'

E vem da Hungria – possivelmente – o filme mais esquisito do ano, Cabaré Biblicoteca Pascoal. Estranho em muitos sentidos, o trabalho do diretor Szabolcs Hajdu não é uma experiência fácil de entender, se o cinéfilo conseguir envolver-se emocionalmente a uma das inúmeras subtramas que compõe o trabalho, sairá da sala de exibição com a sensação gostosa de ter sido cobaia de uma experiência única dentro da sala de cinema.

Ao longo dos 111 minutos de muitas metáforas e sonhos, somos guiados para a história por uma cigana chamada Mona (Orsolya Török-Illyés) que vive nas ruas da Hungria ganhando a vida como artista. Logo do início da trama, ela vai precisar convencer um assistente social de que pode ser uma mãe responsável e assim recuperar a guarda de sua filha. Para isso, a bela persoagem irá contar histórias fantásticas que ultrapassam as fronteiras da realidade, construindo um mundo de sonhos e ilusões para tentar amenizar a dor que sofreu ao longo do tempo. Assim, começa a viagem do espectador.

A grande discussão gira em torno do roteiro. Uns acharão um trabalho terrível, outros gostarão. A narrativa é um pouco confusa e a não linearidade do filme se perde em alguns momentos pois não ficam muito nítidos os desfechos dos personagens nos retornos temporais. Mesmo com essa confusão que o espectador pode ser testemuha, não deixa de ser um roteiro corajoso, com a cara de David Lynch e lembranças do eterno clássico de Tim Burton Peixe Grande e suas Maravilhosas Histórias.

A romena Orsolya Török-Illyés simplesmente dá um show na pele da protagonista. Maluquices  do roteiro à parte, a desconhecida atriz europeia constrói e desconstrói sua personagem de maneira brilhante. Somos envolvidos em diversas histórias que se dividem de maneira segura na ótica de sua personagem. Criamos um laço profundo, quase poético com Mona – a protagonista. Sofremos juntos e torcemos para um final feliz em seu desfecho.


Muitas vezes dentro de uma sala de cinema, somos alvo da experiência de mentes criativas. Esse filme húngaro não é uma exceção neste quesito. Você pode até não gostar do resultado mas a história possui elementos criativos que fazem a gente voar e voar através dos sonhos, da nossa poltrona até a metáfora mais próxima. Que beleza maior existe senão sonharmos com as histórias que nos são apresentadas? Não deixe de conferir este trabalho único.

Nenhum comentário:

Postar um comentário