domingo, 29 de setembro de 2013

Crítica do filme: 'Questão de Tempo' (Festival do RJ 2013)

Um pôster do filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain preso na parede de um quarto já era o primeiro indicador que iríamos conhecer um sonhador, romântico e que faz de tudo para ser feliz. Em Questão de Tempo, o diretor e roteirista neo zelandês Richard Curtis (Um Lugar Chamado Notting Hill) nos leva a conhecer Tim e sua incrível jornada à procura de um futuro ao lado de um grande amor. Uma trilha sonora jovem e popular embala esse ótimo trabalho que é aquele tipo de filme que todo mundo na sala de cinema faz uma corrente imaginária positiva para que o desfecho seja feliz.

Quem nunca sonhou em poder brincar de viajar no tempo? Nesta fantástica história de amor, perdas e sonhos conhecemos Tim (Domhnall Gleeson) um jovem advogado, tímido e brigado com o barbeiro que mora com os pais em uma casa grande cheia de alegria. Após tentar várias vezes se relacionar com diversas mulheres, sem êxito, e se mudar para longe da casa onde morou toda vida, descobre através de seu pai que possui o poder de voltar no tempo. Assim, com esse fato inusitado sendo usado como trunfo na manga, começa a buscar seu futuro que começa com um grande amor que aparece quando ele menos espera.

As confusões que já vimos em outros filmes sobre as consequências de mudança em acontecimentos passados são apresentadas de maneira leve, descontraída, sempre aproximando o público da história. Alguns podem achar o projeto uma mistura de Como se fosse a primeira vez e Efeito Borboleta mas o filme é muito maior que esses outros dois títulos, talvez por conta das mensagens que são passadas de maneira leve e transparente para o espectador.

Aos poucos as viagens no tempo se tornam desnecessárias pois a vida em sua simplicidade se mostra prazerosa na visão do protagonista. Essa é uma das inúmeras e belas mensagens que o filme passa, com a ajuda dos ótimos atores em cena. Fábulas sobre a busca pelo amor sempre emocionam os cinéfilos. Esse filme não foge à regra, principalmente quando bate na tecla de que ninguém pode ser preparado para o amor ou para o medo.

Domhnall Gleeson (Anna Karenina) interpreta o protagonista e leva muito bem seu personagem sempre com ótimas tiradas e muito humor.  Rachel McAdams (Amor Pleno) – chamada às pressas já que o papel era de Zooey Deschanel (Sua Alteza?) – está muito firme e delicada no papel de Mary, o grande amor que Tim procurava.  O britânico Bill Nighy (Jack, o Caçador de Gigantes) rouba a cena sempre que aparece. Seu personagem é uma espécie de ponto de intersessão entre o protagonista e o restante do elenco. Uma atuação digna de Oscar deste veterano artista.  


O público interage bastante durante a projeção. Os diálogos e o modo como é conduzida as questões de viagens no tempo conquistam rapidamente o público. O desfecho é lindo, valendo cada centavo do ingresso caro que você pagará aqui no Brasil para conhecer essa inesquecível história. A vida pode ser simples e porque não extraordinária também? Você precisa conhecer essa história. Bravo!

1 Postagens cinéfilas:

Ana Paula Botelho disse...

Excelente exemplo de como contar a mesma história ou falar de umq questão conhecida - que se repetem porque são emblemáticas - de modo diferente. Lindo filme!!!

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging