terça-feira, 22 de outubro de 2013

Crítica do filme 'Os Suspeitos' (2013)



Quais são os limites na busca de um parente desaparecido? Brilhantemente dirigido pelo cineasta canadense Denis Villeneuve (Incêdios), Os Suspeitos é um dos melhores suspenses e mais surpreendente projeto dos últimos dois anos. Todo o quebra-cabeça que somos testemunhas é engenhoso, brilhante e eletrizante. O espectador não sabe o que vai acontecer na cena seguinte. Como a grande graça desse trabalho é o seu desfecho, o texto não tem nenhum spoiler, podem ficar tranquilos.

Em uma certa tarde, duas meninas são sequestradas na porta de casa levando seus pais a um limite emocional e físico em busca do paradeiro delas. Um desses pais, Keller Dove (Hugh Jackman) ultrapassa todos os limites quando resolve sequestrar e torturar o principal suspeito do sequestro.  O detetive Loki (Jake Gyllenhaal), responsável pelo caso, acaba se envolvendo com a história mais do que devia e acaba descobrindo um plano macabro e inacreditável.

Para um suspense ser bom precisa que em nenhum momento o público tire os olhos da tela. Você só consegue provocar essa reação se a história for interessante, e no caso de um mistério, que as peças do quebra-cabeça lentamente vão se modelando deixando o espectador ansioso em saber como termina todo o mistério. O roteirista Aaron Guzikowski, dá uma aula em como se criar tensão, suspense e surpresa em um filme de 163 minutos.

O longa-metragem tem diversos pontos positivos. O desenvolvimento emocional e desesperante dessas duas famílias afetadas pelo sequestro é perfeitamente executado por cada personagem. Maria Bello – uma das atrizes que mais sabe sofrer em cena – faz o público sentir pena, tamanho desespero que passa na tela. Terrence Howard é o parente mais perdido com todo o desenrolar dos fatos, seu personagem (pai de uma das meninas) não tem forças nem para pensar se seus atos são ou não corretos - grande atuação desse indicado ao Oscar.

Mesmo não tendo um protagonista fixo, a câmera volta muitas vezes a Keller Dove. Um pai desesperado que só pensa em achar sua filha salva. Os conflitos familiares provocados por Dove são intensos, vira um homem sem destino, sem afeto, sem pena e totalmente inconsequente. O espectador consegue e conectar com esse personagem e acaba torcendo para um final feliz mesmo com os pecados que o personagem carrega em suas costas.

Os Suspeitos é um daqueles filmes do qual nunca vamos esquecer o final e sempre que for possível voltaremos para rever. Merece ter um lugar cativo na estante dos cinéfilos, de preferência ao lado de filmes como Seven – Os Sete Crimes Capitais e Os Suspeitos – só que nesse caso, o Kevin Spacey não é o culpado! Bravo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário