segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Crítica do filme: 'Trem Noturno para Lisboa'

Do que sentimos falta no fim de nossas vidas? Dirigido pelo veterano cineasta dinamarquês Bille August (A Casa dos Espíritos) e com um roteiro adaptado do best seller homônimo de Pascal Mercier, Trem Noturno para Lisboa poderia ser um filme qualquer sobre revoluções, amor e mistérios. A questão é que seu protagonista é fascinante, contando com uma das maiores atuações da carreira do excelente ator britânico Jeremy Irons (Dezesseis Luas). 

Certo dia em sua vida monótona, o Professor Raimund Gregorius caminha a passos largos em direção a escola onde dá aula. Ao se ver diante de uma bela donzela a caminho do suicídio, intervém e a salva da eminente fatalidade. Com pressa para não perder o horário, convida a moça para assistir sua aula. Após alguns minutos, a ex-suicída vai embora deixando seu casaco vermelho e um livro do desconhecido escritor Amadeu do Prado. Fascinando pelas palavras que descobre a cada página virada, o Professor Gregorius embarca em uma aventura para descobrir a história desse fascinante autor.   

O filme vale muito ser conferido pela atuação magistral de Irons. O ganhador do Oscar está fabuloso na pele do professor Raimund Gregorius, protagonista da história. Sensível, passando uma verdade que impressiona e com um espírito aventureiro aguçado, convence o público desde o primeiro segundo em cena.  Entre os coadjuvantes, nomes poderosos do cinema mundial, como: Christopher Lee (O Hobbit: Uma Jornada Inesperada), Charlotte Rampling (Jovem e Bela) e Bruno Ganz (O Conselheiro do Crime) dão o ar de sua graça, ajudando o personagem principal a encontrar suas respostas.

O roteiro cinematográfico, adaptado do famoso livro de Pascal Mercier é focado em flashbacks que são utilizados para preencher as lacunas que são deixadas pelo personagens que aparecem no presente. A busca do protagonista por respostas a todo custo empolga o espectador que fica ansioso em descobrir os segredos dessa misteriosa e romântica trama. Sendo guiado pelos pensamentos e historias de Amadeu do Prado, o tímido professor vai atrás dos verdadeiros fatos que deram origem aquelas palavras.

Com o protagonista falando em inglês com todo mundo em plena Portugal dos dias atuais, talvez uma licença poética que nós cinéfilos fingimos que não vemos, acompanhamos com os olhos grudados na telona os acontecimentos, até o seu final indefinido, deixando para o público escolher o desfecho dessa curiosa história. Pegue seu carro, vá de ônibus, entre no metrô ou até mesmo, para entrar no clima, vá de trem correndo para os cinemas conferir esse belo trabalho de Irons e companhia.



0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging