quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Crítica do filme: 'Circles'



Quando você joga uma pedra na água, os círculos aparecem, se estendem. Depois de dirigir o sensacional Klopka no ano de 2007, o excelente cineasta sérvio Srdan Golubovic mais uma vez chega surpreendendo o mundo do cinema com o suspense dramático Circles. Filmado na Bósnia e Herzogovina, na Alemanha e na cidade de Belgrado, o longa metragem foi o indicado da Sérvia para concorrer a uma vaga ao próximo Oscar na categoria Melhor Filme Estrangeiro. Em 112 minutos de fita, somos envolvidos por um mistério que é a chave de todos os acontecimentos dramáticos que se estendem da primeira cena até o desfecho.

Logo no começo do filme, somos apresentados a Marko (Vuk Kostic), um soldado de bem com a vida que é muito feliz ao lado de sua namorada e adora jogar xadrez com seu amigo estudante de medicina Nebojsa (Nebojsa Glogovac). Certo dia, heroicamente, salva um pacato comerciante estrangeiro chamado Haris (Leon Lucev) do prepotente e irracional linchamento por outros soldados, comandados pelo temido Todor (Boris Isakovic). Logo após, sem sabermos as conseqüências deste ato, a fita dá um pulo temporal de 12 anos e somos apresentados a todos que estavam perto ou fizeram parte deste acontecimento com Marko. Assim, vamos acompanhando as surpresas, culpas, frustração, desejo de vingança e terríveis coincidências que acompanham esses personagens.

Será que um ato humano de bom coração é compreendido e traz algum aprendizado para as pessoas? O medo dos personagens é exatamente o legado da boa ação deixada por Marko. A consistência da história, escrita por Melina Pota Koljevic e Srdjan Koljevic, gira em torno de como uma situação trágica pode nunca ter uma solução no futuro. Seja para um abalado pai que precisa se relacionar profissionalmente com o filho de um dos soldados que linchavam o pobre comerciante, para o agora médico que é a única esperança de vida do ex-temido soldado, para a namorada que nunca esqueceu o grande amor e precisa proteger seu filho das garras de um bandido cruel ou mesmo para Haris que foi salvo e agora precisa ajudar alguém muito próximo ao homem que lhe salvou a vida.

O espectador se sente de frente para um tabuleiro de quebra-cabeça em que lentamente uma nova peça é apresentada. A dedução é o melhor palpite para aqueles que tentam descobrir antes do tempo o que houve ao personagem chave. O desenrolar dos fatos são comoventes e o público fica totalmente refém dessa poderosa história. Pena que Circles escolheu um péssimo ano para tentar uma vaga entre os cinco escolhidos ao Oscar, senão tinha chances. Mas não deixa de ser um filme que precisa se conferido por todo aquele que ama cinema.

Um comentário: