terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Crítica do filme: 'Touchy Feely'

Atravessando o universo do Reiki e o mundo sempre envolvente das energias geradas pelo corpo em conjunto ao universo, o novo trabalho da cineasta Lynn Shelton (A Irmã da Sua Irmã), Touchy Feely, é aquele tipo de filme que infelizmente não chegará às telonas dos nossos cinemas. Extremamente Cult e com uma lenta narrativa somos jogados para dentro de uma história sobre família, descobertas e desilusões.

Nesse drama existencial, escrito pela própria diretora, conhecemos os irmãos Paul (Josh Pais) e Abby (Rosemarie DeWitt). O primeiro é um dentista entrando na sua fase idosa que vive dentro do seu consultório e acaba influenciando as escolhas da filha Jenny (Ellen Page). A segunda, uma massagista cheia de vida, praticante de yoga as horas vagas, passa por uma fase importante de sua vida amorosa, dando passos definitivos para um firme relacionamento. Certo dia, um bloqueio profissional e sensitivo atinge Abby, ao mesmo tempo, que seu irmão começa a fazer sucesso em sua profissão descobrindo assim novos rumos de sua vida.

O interessante do roteiro é a desconstrução de uma personagem carismática e a construção de outro, um completo alienado e ranzinza. A história é mais profunda do que aparenta ser em seu início, passando pelas vidas desses instáveis irmãos que vivem momentos completamente diferentes. Os personagens coadjuvantes chegam para tentar completar as lacunas e ajudar os protagonistas a encontrar um novo sentido para suas existências.

A família adora se reunir para jantar e contar o cotidiano, cada qual no seu qual. Assim, o público começa, gradativamente, a conhecer melhor as características dos personagens. A crítica negativa chega exatamente a esse ponto, quando já em seu desfecho percebemos que muitas respostas não foram dadas. Acaba faltando força aos personagens secundários, muitas vezes ofuscados pelas situações criadas pelos personagens centrais da trama.

Touchy Feely é um filme que dividirá opiniões. O decorrer moroso e algumas subtramas desinteressantes podem ser um fator prejudicial. Mas, se formos analisar o drama como uma generalização na arte das redescobertas da vida, a história começa a parecer mais simpática aos olhos do público. Energias, terapias, encontros e desencontros marcam essa história que provavelmente você já viu por aí.

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging