domingo, 27 de julho de 2014

Crítica do filme: 'Omar'



O destino é uma fábula quando não se encontra uma saída para sua própria sobrevivência. Um dos filmes indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro do ano passado, é um retrato marcante e emocionante sobre um tema atemporal que causa dor e sofrimento ano após ano. Omar é muito mais que uma história de amor, é muito mais que um conflito sobre raízes, é um filme sobre traição que mostra que alguns destinos já estão traçados. Dirigido por Hany Abu-Assad e com uma atuação inspirada do ator Adam Bakri, o projeto foi o primeiro filme palestino a ser indicado ao Oscar.

Na trama, acompanhamos a vida de Omar (Adam Bakri), um padeiro que vive com a família na Cisjordânia, ocupada. O protagonista e seus dois amigos de infância, fazem parte de um movimento de libertação e lutam à sua maneira pela liberdade de seu povo. Omar é apaixonado por Nadia, irmã de um desses amigos, e isso sempre o coloca em dúvida de como seguir lutando. Quando uma traição ocorre nesse grupo revolucionário, Omar é preso e precisa decidir de qual lado ele está nesse grande conflito.

O filme navega em temas polêmicos que giram em torno do conflito milenar entre Israel e Palestina. A violência a todo instante, os julgamentos premeditados da comunidade, as traições que ocorrem a todo instante, a detenção e o tratamento desumano, torturas e rebeliões por uma causa. Ninguém é inocente nessa história. Por lutarem pelas convicções que acham as corretas, não há como ter um dia de paz nesses lugares.

A grande sacada do filme é o desdobramento da história de amor que lhe é embutida. Mas vocês pensam que isso deixa a história mais leve? Bonitinha? Nada disso. Não há clichês, percebemos novas verdades cruéis a cada sequência. Omar é um sobrevivente em um mundo de dor e violência, como milhões de pessoas que sofrem por conta desse imbecil conflito entre Israel e Palestina.

Já em seu desfecho (que final espetacular, emblemático!), com os créditos aparecendo na tela sem nenhuma trilha sonora, começamos a raciocinar e abrir os olhos de que o filme terminou mas o conflito infelizmente continua e cada vez mais sem finais felizes.

0 Postagens cinéfilas:

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging