Crítica do filme: ' Onde Está Segunda?'

Uns são meus irmãos, uns dizem que são, outros sei nunca vão ser. Dirigido pelo cineasta norueguês Tommy Wirkola (do terrível João e Maria: Caçadores de Bruxas) que dessa vez acerta a mão na direção, no futurístico, disponível apenas para a Netflix e repleto de cenas bem feitas, Onde Está Segunda? Protagonizado, em vários papéis, pela ótima atriz sueca Noomi Rapace (Prometheus, Os Homens que Não Amavam as Mulheres – Versão Sueca), o projeto demorou alguns anos para sair do papel, alguns ajustes no roteiro devem ter sido feitos, mesmo assim há algumas falhas mas nada que atrapalhe o bom desenvolvimento da trama. O ritmo frenético no último ato é peça fundamental de equilíbrio desse roteiro que é recheado de surpresas já que possui sete protagonistas que pensam e vivem o mundo que habitam de maneira completamente diferente.

Na trama, ambientada em um futuro não muito distante, o planeta vive uma imposição do Departamento de Alocação de Crianças, chefiado pela bióloga Nicolette Cayman (Glenn Close), onde todos os casais só podem ter apenas um filho pela justificativa de uma emergencial medida de controle populacional do Planeta Terra. Logo no início dessa medida, anos atrás, uma mulher tem sete filhas gêmeas e acaba falecendo no parto. Seu pai, Terrence (Willem Dafoe), avô das crianças, assume a guarda de todas as sete crianças e as esconde em um apartamento projetado e escondido para que elas nunca sejam separadas. Para esconder o segredo, dá o nome de todos os dias da semana para as meninas recém nascidas e ao longo da formação delas vai ensinando seus mandamentos para a sobrevivência. Um dos pontos principais ensinados, é que cada uma delas só pode sair para a rua no dia de semana do seu nome. Durante 30 anos, as sete irmãs assumem a identidade de uma pessoa só, se revezando no papel. Acontece que determinado dia, Segunda-feira (Monday) desaparece e as irmãs precisam descobrir o que houve, se expondo de uma forma que nunca fizeram.

O roteiro é bastante interessante mesmo com algumas pontas soltas que poderiam explicar mais sobre a curiosa história. Foca na formação familiar das irmãs e detalha os principais mandamentos do avô, esse último praticamente desaparece do filme do segundo ato em diante, voltando em eventuais flashbacks mas muito pouco para descobrirmos mais seus mistérios. Cada irmã possui uma personalidade diferente, o que eleva o trabalho da ótima Noomi Rapace que aparece em praticamente todas as sequências do filme. Tendo cerca de duas horas de projeção, o longa metragem (mais um achado da Netflix) é uma ficção científica com contornos dramáticos e ação empolgante. Falando em ação, as cenas que completam esse gênero dentro da trama são excelentes e empolgam.


Com filmagens realizadas na Romênia, e surgindo de repente na lista de catálogo da Netflix essa semana, Onde Está Segunda? é um entretenimento interessante, principalmente para quem curte filmes ambientados em contextos e universo ainda distante do que vivemos.

Comentários

  1. Não entendi só o final! No final a Karen diz o seguinte: vamos cuidar do que Segunda estava cuidando! Tipo isso. Daonde surgiram aqueles bebês? É como a segunda estava cuidando deles?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu entendimento:
      A segunda estava grávida de gêmeos (que são aqueles bebês do final). No diálogo com a quinta no banheiro ela diz que não planejou nada; que se apaixonou pelo Adrian e as "coisas mudaram" (acho que essa expressão indica que ela engravidou). Também diz que fez um trato com a Cayman que saiu do controle. É provável que esse trato garantia a segurança dos bebês gêmeos que ela esperava. No momento da sua morte, ela se lembra do sofrimento do avô ao ter que amputar o indicador das meninas (uma decisão difícil tomada com a finalidade de protegê-las), o que apoia a ideia de que a sua decisão difícil de entregar as irmãs foi tomada pelo bem de seus filhos.

      Excluir
  2. Perfeita sua explicação. Tbm entendi assim a atitude da segunda feira

    ResponderExcluir
  3. Mas gente, tinham mais de 300 bebes ali. Isso é que não entendo.

    ResponderExcluir
  4. Fah Garcez tinha uma porção de bebês nos berçarios, mas lembra que quando a "Segunda" estava morrendo botou a mão da irmã sobre a barriga dela e disse apenas para "cuidar deles" , ou seja ela estava grávida e além disso como falou no plural era de gêmeos...na cena final as duas irmãs que sobraram e o pai não estão vendo aquela infinidade de crianças mas sim os dois bebês que estão se desenvolvendo numa espécie de incubadeira, as crianças foram retiradas de dentro da "Segunda" ainda no início da gravidez quando ela estava morrendo e estavam se desenvolvendo lá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqueles bebês todos, são os filhos de todas as mães grávidas que saíram dos seus esconderijos quando Cayman é desmascarada e a lei da alocação cai (como é dito pela apresentadora do jornal, no final do filme), quer dizer que no final das contas, tudo que aconteceu, salvou toda uma geração. :)

      Excluir
  5. Gente alguém me fala qual foi a mensagem do filme

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *